Aos Fatos

Para publicar desinformação, editor do ‘República de Curitiba.net’ usa foto de outra pessoa e exibe currículo falso

Por Amanda Ribeiro e Luiz Fernando Menezes

19 de agosto de 2019, 12h27


Um site que tem quase dois milhões de visitas por mês, mais de 400 mil seguidores no Facebook, 140 mil no Twitter e 120 mil no Instagram constrói, desde 2017, uma narrativa de desinformação em defesa da Operação Lava Jato e do governo Bolsonaro em que conteúdos enganosos se misturam a notícias reais. O República de Curitiba.net, no entanto, não tem marca registrada no Brasil, mantém em sigilo as informações sobre o domínio do site e seu editor exibe um currículo falso e usa fotos de outra pessoa como se fossem dele.

Desde as últimas eleições, Aos Fatos já checou desinformação em ao menos cinco textos publicados pelo site e compartilhados em suas redes. Todos eles tinham críticas à esquerda ou exaltavam Bolsonaro. Um dos conteúdos, de 1º de janeiro deste ano, afirmava, por exemplo, que o PT havia convocado uma “posse simbólica” de Lula para aquele dia. Postada no Facebook, a informação falsa alcançou 23 mil compartilhamentos. O site também foi um dos responsáveis por disseminar o ataque direcionado à repórter do Estadão Constança Rezende, compartilhado cerca de 11.500 vezes e conduzido pelo site Terça Livre em março deste ano.

As notícias falsas são escritas e propagadas da mesma maneira que o República de Curitiba.net difunde conteúdos verdadeiros, que destacam a agenda do governo e temas do debate político. Na última semana, por exemplo, o site publicou sobre a queda de homicídios nos primeiros quatro meses do ano, a aprovação na Câmara do texto-base da MP da Liberdade Econômica e a possível ida do deputado Alexandre Frota, expulso do PSL, para o PSDB. Todos os textos trazem informações verdadeiras extraídas de sites como O Antagonista, R7, entre outros, mas editadas para ganhar um tom mais eloquente em favor da narrativa do governo. Em alguns casos, inclusive, os títulos trazem conteúdo distorcido.

Domínio protegido. Apesar da alta frequência de publicações desde que foi criado, em dezembro de 2017, não é possível saber quem é o responsável pelo República de Curitiba.net. As informações sobre o registro de seu domínio estão protegidas, segundo consta na plataforma WhoIs, que mostra dados como o nome do responsável por um site, seu e-mail e sua localização. Os administradores podem ocultar tais informações comprando um serviço de proteção oferecido por empresas que hospedam páginas na internet. Os valores desse tipo de serviço variam de R$ 4,99 a R$ 19,99 por ano.

Com a ferramenta SimilarWeb, que faz uma contagem estimada de visitas a sites, é possível ver que o República de Curitiba.net teve quase dois milhões de visitas ao longo dos últimos seis meses. Destas, a metade (49,37%) foi oriunda de redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube, Linkedin e Reddit), e 35% de acessos diretos ao site.

A página no Facebook foi, inclusive, criada antes do site, em 2016, segundo consta na aba “Sobre” do República de Curitiba.net. A conta original, no entanto, foi apagada pelo Facebook em dezembro de 2018. Segundo texto publicado no site à época, a conta teria 800 mil seguidores e foi apagada em “um movimento totalmente arbitrário do Facebook” no dia 21 de dezembro. A rede social costuma bloquear páginas e perfis que violam os seus padrões de comunidade. No mesmo mês, porém, uma nova página do site foi criada no Facebook e tem, hoje, 419 mil curtidas.

Marca não registrada. O Aos Fatos tentou encontrar o responsável pelo site também por meio do registro de seu nome como marca. Segundo aparece no pé da página inicial do portal, o conteúdo seria resguardado desde 2017 sob a marca República de Curitiba Editora. Ela, no entanto, nunca foi registrada no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), responsável por realizar tais procedimentos no Brasil. Em nota enviada ao Aos Fatos, o instituto disse que não há qualquer solicitação de registro do nome República de Curitiba Editora.

Em uma busca na plataforma do INPI por “República de Curitiba”, foram encontrados 16 processos. Destes, seis registros estão em vigor: o República de Curitiba Beer, de uma produtora de cervejas artesanais; três versões de República de Curitiba que são de uma mesma proprietária e que as usa em conteúdo de marketing, propaganda, artigos de vestuário, academias e serviços de personal trainer; o República de Curitiba - Menu Curitibano, que é relacionado a gastronomia; e o República de Curitiba, da empresa M2, ligada a empresas como a TV Iguaçu, de Curitiba, e pertencente ao Grupo Massa, do apresentador do SBT Ratinho.

Em nota, a diretora jurídica da M2 e procuradora do pedido de registro da marca no INPI, Roberta Martinez Pereira França, afirmou ao Aos Fatos que o nome havia sido requerido para um projeto. Ressaltou, ainda, que o grupo não detém qualquer domínio com a expressão República de Curitiba. “Assim sendo, a M2 e o Grupo Massa não tem qualquer relação com o site chamado República de Curitiba.net”.

Editor disfarçado. Até o início de agosto, a seção “Sobre” do site afirmava que ele tinha uma pequena equipe composta por um editor chamado Lucas Andrade Pianovski e dois repórteres (Carla Ribeiro e Marco Aurélio Moretti). Todos os textos, porém, eram assinados por Pianovski, e, ao procurar em redes sociais e sites de buscas diversos, Aos Fatos não encontrou qualquer registro sobre os outros dois integrantes da equipe.

Já Pianovski tinha uma pequena biografia apresentada ao final de todos os textos publicados onde, pelo menos entre março e abril, apresentava-se como “gaúcho de nascimento e paranaense de coração” e formado em jornalismo pela PUC-RS.

Por meio da plataforma Wayback Machine, que permite ver as versões de sites como foram inicialmente ao ar, Aos Fatos percebeu que essa informação sobre a formação de Pianovski deixou de aparecer no início de junho. A PUC-RS, por meio de sua assessoria, informou que não há registro de matrícula de nenhum “Lucas Andrade Pianovski” na universidade. Isso significa que nenhuma pessoa com esse nome frequentou ou ainda frequenta um curso de graduação na PUC-RS.

Também há diversos indícios de que a foto do editor não é dele. A imagem, usada ao menos desde abril, segundo busca no Wayback Machine, mostra um jovem sorridente, de óculos escuros e camiseta branca. Aos Fatos fez pesquisa de imagem reversa — quando uma foto é usada para buscar outras similares — em plataformas como o Google, o Bing e o Yandex e descobriu que ela aparece no perfil do Facebook de Archil Asatiani, de 28 anos, que mora em Tiblissi, capital da Geórgia, e trabalha na Toyota.

O perfil de Asatiani é aberto na rede social, onde tem 584 amigos, e é possível ver diversas fotos da mesma pessoa publicadas desde 2015. Ele também é marcado em imagens de amigos e retratado em viagens para diversas partes do mundo e eventos sociais.

Enquanto isso, Pianovski tem apenas uma conta em rede social, no Instagram, que é de acesso restrito a amigos. Lá, ele utilizava como foto de perfil a mesma imagem que aparece em sua biografia no República de Curitiba.net. No início de julho, a reportagem do Aos Fatos fez uma solicitação de amizade na rede social, que até hoje não foi respondida.

Pouco depois, Pianoski trocou sua imagem de perfil tanto no Instagram como no site por uma mais distante, que mostra um homem sentado em uma cadeira e olhando para o celular. Assim como a anterior, a foto também consta no perfil de Asatiani no Facebook.

Aos Fatos entrou em contato com Archil Asatiani para que comentasse sobre o uso de suas imagens por uma pessoa que se apresenta como editor de um site brasileiro. Por mensagem, ele confirmou que as imagens eram suas: “Sou Archil (Acho) Asatiani, da Geórgia. Sou a pessoa nas fotos de Lucas Andrade Pianovski e não autorizei que ele utilizasse minha imagem para qualquer propósito”. Asatiani também afirmou que denunciou o perfil de Pianovski no Instagram pelo uso indevido de suas fotos.

Nenhum registro que comprove a veracidade da identidade de Lucas Andrade Pianovski foi encontrado por Aos Fatos. O nome não consta em nenhum documento público ou site que não esteja vinculado ao República de Curitiba.net. e não aparece em nenhuma publicação antes da criação do site, em dezembro de 2017.

Telefone inexistente. Na aba “Sobre” da página oficial do site República de Curitiba.net no Facebook, constava até julho o número de telefone (24) 98181-9995. Porém, ao tentar entrar em contato, ouvia-se uma mensagem de que o número não existe.

Ainda em julho, o número foi retirado das informações de contato da página. Após contato realizado por Aos Fatos por e-mail no dia 8 de agosto, o República de Curitiba.net afirmou que o número não tinha ligação com o site. No entanto, é possível ver no print acima, de junho deste ano, que a página trazia o número referido como uma opção de contato.

O site, porém, disse “preferir manter contato por e-mail”. “Nós não temos um telefone de contato em nossas redes, o que imaginamos que aconteceu é que um usuário tenha sugerido este número e tenha sido automaticamente adicionado a alguma página que publica conteúdo do blog”, afirmou. A reportagem insistiu mais uma vez, na tentativa de conseguir outro número, mas o site não respondeu.

É importante ressaltar que o e-mail do site não está disponível publicamente. Aos Fatos conseguiu o endereço após solicitação realizada pelo formulário de contato do site ainda no ano passado, enquanto averiguava a veracidade de um conteúdo que havia sido compartilhado pelo portal.

Outro lado. Em troca de mensagens por e-mail entre os dias 8 e 13 de agosto, Aos Fatos questionou sobre a identidade de Pianovski. Em resposta, o República de Curitiba.net afirmou que iria averiguar o caso, “até porque nossas redes funcionam num ambiente de relações virtuais”.

A página ressaltou também que, da maneira como foi explicitado por Aos Fatos, “dá a impressão que o blog teria alguma vantagem nisso, pelo contrário. Por isso, enviamos a resposta anterior explicando nosso funcionamento, reafirmando a vontade em divulgar assuntos de Política e Lava Jato para nossos seguidores e a disponibilidade sempre em atendê-los e rever informações replicadas checadas no blog”.

No dia 13, o República de Curitiba.net excluiu o perfil de Lucas Pianovski do site e o substituiu por uma foto genérica de uma pessoa de costas segurando a bandeira brasileira. A imagem, de autoria de Maria Freitas, do G1, retrata um protesto ocorrido em Governador Valadares (MG), em 2013.

O nome do perfil passou a ser Blog República de Curitiba. Também foram apagadas todas as informações sobre a equipe, inclusive o trecho que citava Carla e Marco Aurélio, os outros supostos repórteres.

Questionado a respeito do fato de a marca República de Curitiba Editora não existir em registros oficiais, o República de Curitiba.net disse não ter localizado em que parte do site diz possuir a marca. “Que saibamos não existe uma empresa registrada no INPI com este nome, existem inclusive diversos blogs, páginas, instagrans que utilizam o termo 'República de Curitiba', alguns inclusive maiores que os nossos; imaginamos que é uma expressão já de domínio público”, afirmaram por e-mail.

Diante de um print que apresentava a presença da marca no pé da página, o site afirmou que “Sobre esse 'Copyright' pelo que estamos verificando estava provavelmente no template e foi mantido de forma equivocada. Vamos alterar assim que possível”. Na tarde de 13 de agosto, terça-feira, o site também retirou a indicação de marca e trocou para “Blog República de Curitiba”.

Financiamento. Apesar de sua narrativa de desinformação, o República de Curitiba.net recebia, por meio de conta na plataforma Apoia.se, cerca de R$ 1.000 em doações por mês. Em algum momento entre os primeiros dias de agosto, no entanto, a campanha foi retirada do ar, e o pedido de doação, que constava no fim de todas as matérias do site, foi retirado.

Nesta segunda-feira (19), no entanto, a campanha do República de Curitiba.net voltou ao ar.

Aos Fatos entrou em contato com a plataforma, que disse não poderia fornecer informações com base em seus Termos de Uso e na Lei de Proteção de Dados.

Histórico. Entre 2018 e 2019, Aos Fatos checou cinco conteúdos publicados pelo República de Curitiba.net. Além das informações falsas sobre a posse simbólica de Lula e o ataque à repórter Constança Rezende, o site também publicou que o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) teria mandado tirar as tomadas dos presídios, que o delegado responsável pela investigação do atentado contra Bolsonaro teria criticado o então candidato à presidência no Facebook e que o petista Fernando Haddad teria prometido libertar criminosos que haviam cometido pequenos delitos.

O site foi informado em todas as cinco ocasiões que teria publicado conteúdos falsos. Dentre as postagens marcadas como falsas ou distorcidas, três foram deletadas. As outras duas — sobre a posse simbólica de Lula e a declaração de Haddad — seguem no ar.

É importante destacar que o República de Curitiba.net não é o único site com esse nome a ter sido checado por Aos Fatos. O Movimento República de Curitiba, responsável pelo domínio República de Curitiba Online.com, que não tem relação com o portal investigado nesta reportagem, também já teve publicações marcadas com o selo FALSO. Elisa Robson, uma das responsáveis pela página Movimento República de Curitiba, disse ao Aos Fatos não conhecer quem edita o República de Curitiba.net.

Referências:

1. Wayback Machine (Fontes 1, 2, 3 e 4)
2. Veja
3. Aos Fatos (Fontes 1, 2, 3, 4, 5 e 6)