Aos Fatos

Livro adulto que faz paródia de personagem infantil não era vendido na Bienal

Por Luiz Fernando Menezes

9 de setembro de 2019, 15h12


É falso que o livro As gémeas marotas, que retrata personagens com traços infantis fazendo sexo, estava sendo vendido para crianças durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, como afirmam publicações nas redes sociais (veja aqui). A obra, que na verdade é uma paródia para adultos de uma personagem de histórias infantis, foi lançada em Portugal em 2012 e, segundo a organização do evento, não estava disponível para venda na Bienal, que terminou no último domingo (8).

As peças de desinformação passaram a circular depois que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, determinou no dia 5 de agosto o recolhimento da HQ Vingadores: a cruzada das crianças por trazer dois homens se beijando. A decisão desatou um vaivém judicial que chegou, no domingo, ao STF (Supremo Tribunal Federal), onde o presidente Dias Toffoli derrubou a censura ao material. Desde então, as imagens circulam também em versões que atribuem ao ministro a liberação da venda de obras que seriam inadequadas para crianças.

As publicações com a imagem do material foram enviadas por leitores do Aos Fatos no WhatsApp como sugestão de checagem (inscreva-se aqui). Usuários do Facebook também denunciaram a publicação, que já acumulava ao menos 5 mil compartilhamentos até a tarde desta segunda-feira (9). Todos os conteúdos foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona).


FALSO

Sobre a bienal do livro… Leiam o conteúdo de algumas das páginas e me digam se vocês acham adequado para crianças o que o Toffoli acaba de liberar.

Será que esse ministro esclerosado do STF está se referindo ao fato desses livros incitarem o sexo entre crianças e também com animais? Ou será que ele acha isso certo?

Páginas da edição portuguesa do livro As gémeas marotas circulam na internet como se fossem de uma obra infantil que estava sendo comercializada na Bienal do Livro do Rio de Janeiro. O livro, no entanto, é destinado ao público adulto e não disponível para venda no evento, de acordo com a organização da Bienal.

Publicado em 2012 em Portugal, As gémeas marotas foi escrito por Brick Duna, pseudônimo de um autor desconhecido, como uma paródia adulta dos livros do holandês Dick Bruna (1927-2017), criador da personagem infantil Miffy.

Aos Fatos não encontrou registros da publicação do livro no Brasil. Segundo a organização da Bienal do Livro, a obra também não estava sendo comercializada no evento. No site oficial da Bienal não há nenhum título semelhante ou livro do mesmo autor entre as publicações vendidas.

Além disso, as fotos utilizadas pelas peças de desinformação possuem elementos que demonstram que foram produzidas em Portugal ou outro país europeu. Uma das imagens mostra que os produtos do local estavam sendo vendidos em euros. O livro também aparece em versão do português de Portugal: em vez de circunflexo, o acento na palavra “gêmeas” é agudo e há palavras como “tusa”, que significa excitação sexual no português de Portugal.

Censura. A peça de desinformação passou a circular após o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), pedir, na última quinta-feira (5), que a Bienal do Livro recolhesse a HQ Vingadores: a cruzada das crianças, que traz dois homens se beijando.

No dia 6, a Justiça, no entanto, por meio de liminar, impediu a busca e apreensão de livros por parte da prefeitura. No sábado (7), o presidente do TJ-RJ, Claudio de Mello Tavares, concedeu liminar favorável ao pedido de Crivella, e fiscais da Seop (Secretaria de Ordem Pública) da prefeitura foram à Bienal.

Por fim, no domingo (8), uma decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, suspendeu a decisão de Tavares e voltou a barrar a apreensão de livros com temática LGBTQ.

O Estadão Verifica, o Boatos.org e o e-Farsas também checaram o boato como FALSO.

Referências:

1. Folha de S.Paulo
2. Biblioteca Nacional de Portugal
3. Site oficial da Bienal do Livro
4. G1 (Fontes 1 e 2)
5. O Globo
6. Estadão