Aos Fatos

Seja um apoiador

Checamos

Leia as últimas declarações checadas pela equipe do Aos Fatos

Mais

Explore todos os nossos conteúdos e checagens

Homem em foto com Jair e Flávio Bolsonaro é ator de 'Tropa de Elite', não miliciano foragido

Por Luiz Fernando Menezes

30 de janeiro de 2019, 18h07


É o ator Sandro Rocha o homem que está em uma foto ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), não Adriano da Nóbrega, ex-capitão do Bope acusado de integrar grupo miliciano suspeito do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), que está foragido.

A informação falsa consta em publicações que circulam nas redes sociais e chegou a ser compartilhada até pela deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), que, ameaçada de processo por Sandro Rocha, pediu desculpas e apagou o tweet.

Publicações com este conteúdo enganoso foram denunciadas ao Aos Fatos por leitores no WhatsApp (veja como participar) e no Facebook. Neste, uma dezena de posts com a desinformação, e que já somam mais de 2.500 compartilhamentos, foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação disponibilizada pela rede social (entenda como funciona).


FALSO

O amigo do meio está foragido, procurado pelo assassinato da Marielle

Circula pela internet uma foto que mostra o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e seu filho e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) ao lado de um homem, que, segundo texto que acompanha a imagem, seria Adriano da Nóbrega, um dos suspeitos de envolvimento no assassinato de Marielle Franco, ainda foragido. Porém, a pessoa na foto é o ator Sandro Rocha, como é possível verificar em seu Instagram oficial. Rocha atuou nos dois filmes da franquia Tropa de Elite, onde representou um major da PM envolvido com milícias.

No Twitter, a peça de desinformação chegou a ser compartilhada pela deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), que apagou a publicação após Sandro Rocha a chamar de “irresponsável” e dizer que poderia ingressar com processo na Justiça. Depois de apagar o tweet, a parlamentar publicou um pedido de desculpas: “O sujeito no meio dos Bolsonaros é ator, não miliciano. Peço desculpas ao ator. Quem me acompanha sabe que não faço isso. Foi um erro, não má fé. Não quero prejudicar o rapaz. Apago porque gostaria que fakes sobre mim também fossem apagadas”.

Dias depois, em vídeo publicado no seu canal no YouTube, Rocha reforçou que iria processar a petista. Procurado por Aos Fatos em e-mail nesta quarta-feira (30), o ator respondeu apenas: "obrigado!".

Milícias. Flávio Bolsonaro tem sido vinculado aos integrantes da milícia Escritório do Crime, desde que foi deflagrada uma operação do Ministério Público e da Polícia Civil do Rio para prender membros do grupo, que também seria suspeito do assassinato de Marielle. Na ocasião, foi noticiado pela imprensa que Flávio contratou em seu gabinete na Alerj a mãe e a esposa de um dos milicianos do Escritório do Crime que está foragido, Adriano da Nóbrega.

No relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) sobre as movimentações suspeitas do ex-assessor Fabrício Queiroz, inclusive, há um depósito no valor de R$ 4.600 feito por Raimunda, a mãe do miliciano. Além disso, PMs suspeitos de envolvimento com o grupo miliciano haviam sido homenageados por Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio.

No dia 24 de janeiro, Aos Fatos desmentiu a alegação sobre uma outra imagem, que mostrava Flávio e Bolsonaro em uma festa de aniversário. Segundo a montagem, os homens na foto com o presidente e o senador eleito seriam dois dos milicianos presos na operação. Por mais que os PMs da foto tenham sido, de fato, presos em 2018, eles foram acusados de integrarem, com outros policiais, uma quadrilha que praticava extorsão, sem vínculo com o Escritório do Crime.