Aos Fatos

Homem em foto com Flávio Bolsonaro é assessor do senador, não acusado de matar Marielle

Por Luiz Fernando Menezes

21 de março de 2019, 18h10


O homem que aparece em foto sentado à mesa com o senador Flávio Bolsonaro (PSL) e o ex-assessor Fabrício Queiroz é o coronel da reserva Miguel Ângelo Braga Grillo, atual chefe de gabinete do filho do presidente no Senado. Publicações nas redes sociais enganam ao apontá-lo como um dos acusados de assassinar a vereadora Marielle Franco (PSOL).

A identidade de Grillo foi confirmada ao Aos Fatos pelo gabinete de Flávio Bolsonaro nesta quinta-feira (21). Uma análise comparativa de imagens também mostrou que não há semelhanças entre o homem da foto e os ex-PMs presos Ronnie Lessa e Élcio Queiroz.

A peça de desinformação foi enviada ao Aos Fatos como sugestão de checagem pelo nosso formulário do site (veja como participar) e também pelo WhatsApp (inscreva-se aqui). Publicações semelhantes no Facebook também foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação disponibilizada pela rede social (entenda como funciona).


FALSO

Só para não cair no esquecimento: esses almoçando juntos são Flávio Bolsonaro, Queiroz e o assassino de Marielle.

O gabinete do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) confirmou ao Aos Fatos na tarde desta quinta-feira (21) que o homem que aparece na foto é, de fato, o chefe de gabinete do filho do presidente, o coronel da reserva Miguel Ângelo Braga Grillo. Ele é assessor do parlamentar desde 2007, na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Não há indícios de que ele seja investigado pela polícia por participação no assassinato de Marielle.

Como é possível observar abaixo, o homem na foto (à esquerda) não guarda semelhanças com Ronnie Lessa (ao centro) e Élcio Vieira de Queiroz (à direita), os ex-PMs suspeitos da morte da vereadora e do motorista Anderson Gomes. Eles estão presos desde 12 de março.

Aos Fatos identificou semelhanças entre a pessoa apontada na foto e o chefe de gabinete de Flávio Bolsonaro em imagem publicada pelo jornal carioca O Dia em 2015 (abaixo, à esquerda).

Posteriormente, a identidade do assessor foi confirmada pelo gabinete do senador.