Aos Fatos

Em 100 dias, 6 em cada 10 declarações de Bolsonaro são falsas ou distorcidas

Por Ana Rita Cunha

10 de abril de 2019, 18h23


Ao completar 100 dias de governo nesta quarta-feira (10), o presidente Jair Bolsonaro havia proferido 283 declarações passíveis de checagem, das quais 161 eram totalmente falsas ou apresentavam algum grau de erro. Isso quer dizer que, a cada 10 declarações do presidente nesse período, em torno de 6 eram falsas ou distorcidas. Economia e relações exteriores foram os dois assuntos mais comentados por Bolsonaro, e também o que ele mais errou.

A contabilidade é feita diariamente pela equipe do Aos Fatos, que mapeia redes sociais e meios de comunicação e publicada nesta base de dados. A organização deste agregador de declarações parte de uma ideia concebida originalmente pelo Fact Checker, a tradicional coluna de checagem do jornal americano Washington Post.

Até esta quarta-feira, Aos Fatos havia constatado que, de 283 declarações de Bolsonaro passíveis de checagem, 122 apresentavam informações verdadeiras, 86 tinham algum grau de erro e outras 75 continham dados completamente falsos.

Na economia, Bolsonaro errou ao criticar os dados de desemprego no começo do mês de abril. Ao defender apenas o uso dos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) associados a “dados bancários”, em entrevista à Record TV, o presidente não levou em consideração que essa proposta, chamada por ele de “precisa”, excluiria os 35 milhões de trabalhadores do mercado informal. Ainda comentando o índice, o presidente repetiu informação falsa da campanha de 2018, de que o IBGE incluiria beneficiários do Bolsa Família e de outros programas assistenciais na conta de empregados. A mentira foi apontada mais uma vez pelo próprio órgão, que segue padrões internacionais.

Ao longo dos últimos 100 dias de governo, Bolsonaro fez quatro viagens internacionais, e temas vinculados às relações exteriores predominaram em suas falas. Entre os erros que cometeu nessa seara, está o trecho de entrevista à Jovem Pan em que o presidente diz que a Palestina não seria um país, mesmo que o Brasil a reconheça como tal desde 2010 e mantenha relações diplomáticas com os palestinos desde 1975. Bolsonaro também afirmou, em entrevista à Band, que nunca teria criticado a China, sendo que, em 2017, na pré-campanha, ele disse que o país "não tinha coração", sugerindo que, caso eleito, iria restringir o acesso de chineses a setores considerados estratégicos.

É possível ver em detalhes quais são as declarações mais repetidas por Bolsonaro, além de filtrá-las por tema e mídia no especial Todas as declarações de Bolsonaro, checadas. À medida que a equipe de Aos Fatos for checando novas afirmações do presidente, a base de dados será atualizada automaticamente.