Aos Fatos

Foto de Rodrigo Santoro com camisa de apoio a Bolsonaro é falsa

Por Bárbara Libório

6 de outubro de 2018, 14h55


Uma imagem adulterada do ator Rodrigo Santoro vestindo uma camiseta com os dizeres “Bolsonaro Presidente” está circulando na internet para alardear um suposto apoio do artista ao candidato do PSL à presidência. A imagem é FALSA. Na foto original, Santoro usa uma camiseta branca lisa, sem estampas.

O texto que acompanha a foto também diz que Santoro nunca precisou da Lei Rouanet. Vale lembrar que, como já explicado por Aos Fatos, a Lei Rouanet não financia artistas diretamente, como sugere o boato. O ator, porém, já estrelou filmes que receberam incentivos da legislação de apoio à cultura.

A imagem com a frase falsa foi enviada por leitores do Aos Fatos no WhatsApp como uma sugestão de checagem (saiba mais). Para participar, adicione o número (21) 99956-5882 na sua lista de contatos e envie uma mensagem com o seu nome.

Confira abaixo, em detalhes, o que checamos.


FALSO

Nunca precisou da Lei Rouanet. É o artista brasileiro mais conhecido em Hollywood. Taí a diferença.

A foto em que o ator Rodrigo Santoro aparece na praia, vestindo uma camiseta branca sem estampas, já foi publicada em diversos blogs, portais e redes sociais desde 2013, inclusive na página de uma agência de modelos e atores em Portugal. É, portanto, uma foto antiga. A montagem veiculadas nas redes sociais “imprime” no branco da camiseta uma estampa com a foto de Jair Bolsonaro e os dizeres “Bolsonaro Presidente”.

O artista também não tem o hábito de se posicionar publicamente sobre suas opiniões políticas. No ano passado, em entrevista ao programa Conversa com Bial, ele afirmou que prefere não se manifestar em frente às câmeras porque, nas vezes em que fez isso, teve suas falas descontextualizadas.

Já sobre a afirmação de que Santoro nunca precisou da Lei Rouanet, Aos Fatos já explicou que a Lei 8.313/91 — ou Lei Rouanet, como é comumente chamada — não é destinada a artistas: ela, na verdade, aprova projetos culturais para que eles sejam financiados por empresas. O que acontece é que projetos escolhidos pelo Ministério da Cultura recebem um registro no Pronac (Programa Nacional de Apoio à Cultura) e a autorização para que possam captar recursos com patrocinadores, sejam eles empresas e pessoas físicas. Esses patrocinadores podem descontar do seu Imposto de Renda os valores que forem repassados a iniciativas culturais. Alguns dos filmes estrelados por Santoro receberam o incentivo da Lei Rouanet. É o caso, por exemplo, do filme Não Por Acaso, de 2007, e Os Desafinados, de 2008.