Aos Fatos

Seja um apoiador

Checamos

Leia as últimas declarações checadas pela equipe do Aos Fatos

Mais

Explore todos os nossos conteúdos e checagens

É falso que Barroso declarou apoio às manifestações bolsonaristas de 15 de março

Por Tai Nalon

17 de março de 2020, 17h40


O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso não declarou apoio às manifestações bolsonaristas do último domingo (15), diferentemente do que publicações no Facebook, no WhatsApp e em sites com notícias falsas afirmam. Por meio de vídeo distribuído à imprensa, ele afirmou na tarde desta terça-feira (17) que "jamais se pronunciou sobre esse assunto".

Além de posts com mais de 8.000 compartilhamentos no Facebook, marcados como FALSO na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona), a desinformação também foi publicada na última segunda-feira (16) no Blog do Antonio Morais. Essa informação é atribuída ao site Política News, que tirou o texto do ar. Versão desse texto também circula no WhatsApp, onde não é possível medir o alcance da desinformação.

Veja em detalhes o que checamos.


FALSO

Para o ministro [Luís Roberto Barroso], Bolsonaro foi corajoso e demonstrou ser um grande líder, pois não abandona sua nação nem em momentos difíceis como o que estamos passando agora, com a pandemia do COVID-19.

Um blog bolsonarista, um post no Facebook e uma corrente de WhatsApp sustentam, desde a noite da última segunda-feira (16), que Barroso endossou os atos em apoio ao governo do dia 15 de março. Os protestos, dentre outras pautas, pediam pelo fechamento do Supremo Tribunal Federal e atacavam o Congresso. No entanto, isso é FALSO, conforme o próprio ministro declarou, por meio de vídeo, nesta terça-feira.

“Está circulando uma notícia de que eu teria apoiado o presidente [Jair Bolsonaro] nas manifestações no último domingo. Essas informações são falsas”, afirmou Barroso. “Eu jamais me pronunciei sobre esse assunto como ministro do Supremo Tribunal Federal. O foco da minha atenção é a defesa das instituições democráticas e dos direitos fundamentais”.

Barroso ainda disse que, devido ao seu cargo, "não fala sobre varejo político".