Aos Fatos

Reprodução

Checamos a entrevista de Bolsonaro ao Datena, na Band

Por Ana Rita Cunha e Luiz Fernando Menezes

28 de setembro de 2018, 20h50


Ainda hospitalizado após sofrer um ataque no último dia 6 de setembro, Jair Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo PSL, concedeu uma entrevista ao programa Brasil Urgente, da Band, na tarde desta sexta-feira (28). Aos Fatos checou as declarações do deputado.

Veja abaixo o que já apuramos.


FALSO

No dia do evento, 6 de setembro, o [outro] criminoso tentou entrar na Câmara com a carteira de identidade do cara [Adélio Bispo de Oliveira].

Bolsonaro diz duvidar que o atentado tenha sido obra de apenas uma pessoa e sugere que um segundo envolvido teria tentado forjar um álibi para Adélio Bispo de Oliveira, registrando uma visita à Câmara dos Deputados, em Brasília, no mesmo dia do ocorrido. O que aconteceu, na verdade, como mostrou uma investigação da Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados, foi que esses registros de visita de Adélio foram erros de um funcionário. Além de tudo isso, a Polícia Federal concluiu nesta sexta-feira que o agressor agiu sozinho. Portanto, a declaração de Bolsonaro é FALSA.

Em 19 de setembro, o site O Antagonista publicou um ofício da Polícia Legislativa afirmando que foram registradas, no dia do atentado, duas entradas de Adélio Bispo de Oliveira, autor do ataque ao Bolsonaro, na Câmara dos Deputados. O próprio texto disse que “se os registros de entrada de Adélio foram feitos antes do atentado, significa que alguém de dentro – com acesso ao sistema — pode ter tentado forjar um álibi para Adélio, imaginando que ele teria chance de esfaquear Bolsonaro numa situação que lhe permitisse fugir sem ser identificado”.

Mais tarde, no mesmo dia, no entanto, o diretor da Polícia Legislativa da Câmara, Paul Pierre Deeter, comprovou que o que aconteceu foi apenas um erro do recepcionista: o funcionário, quando foi consultar no sistema eventual entrada de Bispo na Câmara, quatro horas após o esfaqueamento, registrou a entrada por engano.

Adélio Bispo de Oliveira de fato visitou a Câmara dos Deputados às 9h30 do dia 6 de agosto de 2013, quando ainda era filiado ao PSOL. O registro está abaixo. No entanto, no registro, não há nenhuma informação do destino de Adélio naquele dia.

Registro de visitante mostra identificação de Adélio e horário


FALSO

[O voto eletrônico] É um sistema eleitoral que não existe em nenhum lugar do mundo.

Para colocar em dúvida uma eventual derrota nas urnas neste ano, Bolsonaro tem questionado a lisura do processo eletrônico de votação. A informação de que esse sistema é único no mundo, no entanto, é FALSA: tanto o TSE quanto o Idea (International Institute for Democracy and Electoral Assistance) mostram que vários países utilizam o voto eletrônico em suas eleições, nas mais diversas formas.

Segundo o próprio TSE (Tribunal Superior Eleitoral), em março deste ano, 32 países utilizavam o voto eletrônico. São exemplos Suíça, Canadá, Austrália, México, Peru, Japão, Coréia do Sul e até os Estados Unidos, em alguns dos estados. A diferença é que o Brasil “é um dos poucos países que conseguiram expandir a votação eletrônica à quase totalidade dos eleitores”. Mas, mesmo assim, não é verdade que o sistema brasileiro é único no mundo.

O Idea também traz os dados referentes ao voto eletrônico no mundo inteiro. De acordo com essa base, utilizam esta tecnologia em eleições nacionais Honduras, Venezuela, França, Iraque, Emirados Árabes, Namíbia, Armênia, Quirgistão, Estônia e Nova Zelândia. Além disso, muitos outros países utilizam o voto eletrônico em eleições sub-nacionais.


FALSO

A senhora Dilma esteve em Quito em 2014, acertou com a Unasul. Onde descobriram que o voto eletrônico era o caminho do poder.

Durante a entrevista, Bolsonaro também sugeriu que houve uma conspiração internacional para fraudar as eleições. Isso é FALSO. Não é a primeira vez que ele diz isso. Em sua primeira fala após o atentado, conforme Aos Fatos checou, o deputado afirmou sem apresentar qualquer prova que a ex-presidente Dilma Rousseff, em reunião da Unasul (União das Nações Sul-Americanas) "decidiu criar uma Unidade Técnica Eleitoral Sul-Americana". Assim, segundo ele, "o PT descobriu o caminho para o poder: o voto eletrônico". Na ocasião, Aos Fatos classificou a informação como INSUSTENTÁVEL por ele fazer uma correlação inverificável entre Dilma, a Unasul e fraudes nas urnas eletrônicas. Ao repetir a afirmação sem dar provas, mesmo após questionamento à assessoria de imprensa, Aos Fatos reviu a classificação e agora afirma ser FALSA.

Em declaração anterior, Bolsonaro sugeria que a criação da unidade técnica de coordenação eleitoral teria alguma relação com uma fraude eleitoral por meio do voto eletrônico. Aos Fatos já mostrou que isso também não é verdade: a unidade nada mais é do que um órgão do Conselho Eleitoral da Unasul que prestar apoio técnico, logístico e operativo ao conselho, como em missões eleitorais pelos países membros.

Essas missões levam observadores internacionais de órgãos eleitorais dos países membros para supervisionarem o processo eleitoral e formularem recomendações e advertências sobre possíveis riscos para o livre exercício do voto. Não há, portanto, interferência por parte da Unasul nas eleições, apenas uma análise do processo.

Durante as eleições na Colômbia, em 2014, por exemplo, foram reunidos representantes do Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname e Venezuela. Os representantes brasileiros foram Henrique Neves, então ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), e Tarcísio Costa, na época assessor-chefe da AIN (Assessoria Internacional do Tribunal).

Missões de observação eleitoral não são exclusividade da América Latina. A OEA (Organização dos Estados Americanos), por exemplo, realiza ações deste tipo em 27 países de todo o continente americano. Durante as eleições gerais dos Estados Unidos em 2016, por exemplo, a organização enviou pessoal da Bolívia, República Dominicana e México para analisar o processo.

A Unasul possui um Conselho Eleitoral desde 2012, formado por organismos ou instituições estatais de competência eleitoral e que tem o objetivo de trocar “experiências, observação e acompanhamento em matéria eleitoral, promoção da cidadania e da democracia”.

A unidade foi aprovada em janeiro de 2014, como um órgão do Conselho Eleitoral da Unasul. Segundo a resolução de criação da “Unidad Técnica de Coordinación Electoral” (Unidade Técnica de Coordenação Eleitoral, em espanhol), os órgão eleitorais membros designariam funcionários como pessoal da unidade. Sua normativa, no entanto, só foi aprovada em 2015. Suas funções são, principalmente, de prestar apoio técnico, logístico e operativo ao Conselho Eleitoral, como em missões eleitorais.

Vale ressaltar que a Unasul é formada por 12 países da América Latina: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.

Não há, entretanto, qualquer registro de fraude nas votações no Brasil desde a implementação do voto eletrônico — sistema esse que elegeu o próprio Bolsonaro em seu último mandato como deputado federal com o maior número de votos em seu estado de origem, o Rio de Janeiro.


FALSO

Me ache um áudio, imagem minha que mulher tem que ganhar menos que homem. Não existe isso.

A fala de Jair Bolsonaro foi considerada FALSA porque, em entrevista à apresentadora Luciana Gimenez, em 2016, no programa SuperPop, da RedeTV!, ele disse exatamente isso. Bolsonaro, questionado pela apresentadora se achava certo ou errado a diferença salarial entre homens e mulheres, respondeu: “Eu não empregaria com o mesmo salário. Mas tem muita mulher que é competente”. Aos Fatos checou as contradições do candidato do PSL em torno do tema desigualdade salarial de gênero.

No SuperPop, Bolsonaro foi questionado a respeito de uma entrevista ao jornal Zero Hora, publicada em fevereiro de 2014, em que disse ser justificável a desigualdade de remuneração entre homens e mulheres, por considerar que uma mulher jovem poderia engravidar e ficar seis meses de licença-maternidade, somando-se ainda ao direito às férias — o que quebraria, segundo ele, “o ritmo de trabalho”.

O áudio da entrevista consta da reportagem do jornal gaúcho e foi publicado novamente pelo jornal após o candidato ter questionado onde se encontrava o material gravado. Aos Fatos transcreveu o áudio da entrevista abaixo.

Se você tem um comércio, um negócio qualquer, que emprega 30 pessoas, eu não posso obrigá-lo a empregar 15 mulheres. A mulher luta tanto por direitos iguais, legal, tudo bem. Mas só que tem um detalhe: quando ele vai empregar uma mulher, o que o empregador pensa? Não sou eu quem pensa não, porque graças a Deus, os empregados meus quem faz (sic) é o governo. Eu não pago encargo trabalhista, eu não tenho dor de cabeça.

Eu tenho pena do empresário no Brasil, porque é uma desgraça você ser patrão no nosso país, com tantos direitos trabalhistas. Isso nenhum deputado vai votar porque você perde voto. Não estou preocupado com voto.

Entre um homem e uma mulher jovem, o que o empregador pensa? "Poxa, essa mulher tá com aliança no dedo, daqui a pouco engravida, seis meses de licença-maternidade..."

Bonito pra c..., pra c...! Quem que vai pagar a conta é o empregador. No final, ele abate no INSS, mas quebrou o ritmo de trabalho. Quando ela voltar, vai ter mais um mês de férias, e todo ano ela vai trabalhar cinco meses. Por isso que o cara paga menos para a mulher! É muito fácil eu, que sou empregado e tô aqui no serviço público,e não tenho nada a ver com um empregado ter mandado alguém embora, falar que é injusto, que tem que pagar salário igual.

Só que o cara que está produzindo, com todos os encargos trabalhistas, ter uma pessoa que fica fora, que perde o ritmo de trabalho, e etc. etc., ele [o empresário] vai ter uma perda de produtividade.

O produto dele vai ser posto mais caro na rua, ele vai ser quebrado pelo cara da esquina. Essa é a verdade que tem que se falar e não se fala. Eu sou um liberal, se eu quero empregar na minha empresa, você, ganhando R$ 2 mil por mês e a dona Maria ganhando R$ 1,5 mil, se a dona Maria não quiser ganhar isso, que procure outro emprego! Se você acha que também não está ganhando bem, procure outro emprego! Eu que tô pagando, o patrão sou eu.

Tem mulher que ganha muito mais do que o homem também. É liberdade, pô. A mulher competente... Ou você quer dar cota para mulher?

De acordo com dados mais recentes divulgados pelo IBGE, as mulheres estudam e trabalham mais do que os homens, mas ganham menos. Apesar da diferença ter diminuído nos últimos anos, em 2016, último ano com dados disponíveis, as mulheres recebiam o equivalente a 76,5% dos rendimentos dos homens.


FALSO

Desde o Estatuto do Desarmamento, a criminalidade subiu.

Não é possível estabelecer uma relação causal entre o Estatuto do Desarmamento e o aumento de taxas de criminalidade. Na verdade, há dados que contrariam essa afirmação. A declaração de Bolsonaro foi considerada FALSA por quatro motivos: 1. o Estatuto do Desarmamento interrompeu a escalada dos homicídios desde de 1980; 2. os estudos mais recentes sobre a relação armas e violência indicam que a maior circulação de armas está relacionado ao aumento da violência; 3. estados brasileiros que tiveram maior controle de armas de fogo conseguiram maior efetividade na diminuição de homicídios e 4. o cenário após aprovação do Estatuto do Desarmamento não ficou estagnado: houve aumento na venda legal de armas e o estatuto sofreu diversas mudanças ao longo dos anos.

Desde quando o estatuto entrou em vigência, em julho de 2004, houve uma redução no ritmo do crescimento das taxas de homicídios como mostram os dados da série histórica do Ipea, e 1995 a 2003 a taxa de homicídio cresceu 21,4% e de 2003 a 2012 a alta da taxa homicídio foi de 0,3%. Com relação aos números absolutos, a série histórica de dados de homicídio do Mapa da Violência de 2016 mostra que, entre 1980 e 2003, o crescimento dos homicídios foi sistemático e constante, com um ritmo enormemente acelerado: 8,1% ao ano. Apesar deles continuarem aumentando, houve redução no ritmo, os homicídios por arma de fogo cresceram em média 2,2% ao ano entre 2003 e 2014.

Como já mostrado por Aos Fatos anteriormente, há vários estudos que indicam que uma maior circulação de armas de fogo está relacionada ao aumento da criminalidade. Segundo levantamento do doutorando em economia na Unicamp, Thomas V. Conti, a maioria dos estudos é amplamente favorável à conclusão que a quantidade de armas tem efeito positivo sobre os homicídios, sobre a violência letal e sobre alguns outros tipos de crime. Um dos exemplos é o artigo The Transmission of Gun and Other Weapon-Involved Violence Within Social Networks dos pesquisadores Melissa Tracy, Anthony Braga e Andrew Papachristos, foram analisados 16 estudos publicados entre 1996 e 2015. A análise indicou maior risco de vitimização ou de execução de crimes por pessoas expostas à violência armada.

Em outro estudo, intitulado Effects of Policies Designed to Keep Firearms from High-Risk Individuals, os pesquisadores Daniel Webster e Garen Wintemute encontraram evidências de que regras mais rígidas de porte de armas estão associados a menores taxas de violência. Os pesquisadores também destacam o fato dos Estados Unidos terem taxa de homicídio seis vezes maior do que a taxa média entre países desenvolvidos e que essa discrepância norte-americana com relação aos países ricos ocorre apenas com relação às taxas de homicídio por armas de fogo.

De acordo com mapeamento do Ipea das microrregiões do Brasil, o Estatuto do Desarmamento não se deu de forma homogênea no país, mas unidades federativas em que a difusão de armas diminuiu mais, também se observou maior queda dos homicídios.

Vale lembrar que o estatuto também sofreu mudanças desde que entrou em vigência: passou a ser permitido o porte de arma no trabalho para pessoas com armas registradas, agentes públicos de segurança passaram a poder portar arma particular e também foi estabelecida a idade mínima de 25 anos para porte de arma para moradores de área rural que a usam para subsistência familiar.

Em outra checagem, Aos Fatos também mostrou que em levantamento da Polícia Federal feito a pedido do jornal O Globo mostra crescimento na compra por civis de armas novas legalizadas desde 2007: em 2012, o número de autorizações para compra de armas quadruplicou em relação à época da aprovação do estatuto (passou de 7 mil por ano para 31,5 mil).


EXAGERADO

A própria ex-mulher na matéria [da Veja] desmente muita coisa.

Bolsonaro usou esse argumento para se defender da matéria publicada pela revista Veja, na última quinta-feira (27) sobre seu passado com sua ex-mulher, Ana Cristina Valle. Ela, no entanto, respondeu de forma evasiva que as acusações seriam excessos comuns a processos de separação. A ex-companheira do deputado, no entanto, não questionou a veracidade da cópia do imposto de renda de Bolsonaro anexada no processo por ela, não desmentiu o boletim de ocorrência sobre o roubo de R$ 1,6 milhão de bens de seu cofre, não desmentiu que teria feito um acordo com o deputado para não prosseguir com a investigação do roubo e disse apenas não se lembrar de ter afirmado que Bolsonaro teria outra fonte de rendimentos, além da remuneração de parlamentar e de reservista.

Além de refutar de forma genérica as acusações, Ana Cristina, em resposta à revista Veja, não questiona a veracidade das provas que apresentou anteriormente e se omite em relação a vários pontos da reportagem. Por esse motivo, a declaração de Bolsonaro foi considerada EXAGERADA.

A reportagem cita trechos da ação movida por Ana Cristina após a separação com Bolsonaro em 2008. Quando foi candidato a deputado federal, declarou que tinha um terreno, uma sala comercial, três carros e duas aplicações financeiras, que somavam, na época, R$ 433.934. Sua ex-mulher, no processo, anexou uma relação de bens e a declaração do imposto de renda do ex-marido, mostrando que seu patrimônio incluía também três casas, um apartamento, uma sala comercial e cinco lotes. Os bens do casal, em valores de hoje, somariam cerca de R$ 7,8 milhões. A ex-esposa de Bolsonaro não se pronunciou sobre essa declaração nem desmentiu sua veracidade.

Ana Cristina também disse que a renda mensal do deputado chegava a R$ 100.000 reais — sendo R$ 26.700 como deputado e R$ 8.600 como militar da reserva. Segundo a ex-mulher, Bolsonaro recebia “outros proventos”, mas no processo ela não especifica qual a fonte dessa outra parte da renda. Questionada pela revista ela afirmou não se lembrar de ter falado sobre isso.

A ex-mulher de Bolsonaro também acusou o parlamentar, no processo em 2008, de ter roubado seu cofre numa agência do Banco do Brasil, em outubro de 2007, levando em dinheiro e joias cerca de R$ 1,6 milhão. Ana Cristina não desmentiu a acusação contra Bolsonaro e questionada sobre porque não deu prosseguimentos às investigações sobre o roubo, ela respondeu que: “nós dois tínhamos um acordo de abrir mão de qualquer apuração porque não seria bom”. Ela também não explicou o que seria e quais os termos desse acordo com Bolsonaro.

Bolsonaro também usou esse argumento de que a ex-esposa tinha desmentido informações contra ele para se defender das matérias publicadas na Folha de S.Paulo. Na última quarta-feira, 25, o jornal mostrou um documento do Itamaraty de 2011 no qual Ana Cristina diz ter deixado o Brasil por ter sido ameaçada de morte pelo deputado. Os dois disputavam a guarda judicial do filho que, na época, tinha 12 anos de idade.Telegrama com acusação contra Bolsonaro

Ana Cristina publicou um vídeo em que ela disse “desmentir” o jornal. Nele, a candidata a deputada federal sob o nome de Cristina Bolsonaro disse ser mentira a informação de que o deputado teria a ameaçado de morte e que “essa mídia suja só quer denegrir a imagem dele”.

Após o vídeo, no entanto, a Folha reuniu depoimentos de cinco brasileiros que vivem na Noruega e que conviveram com Ana Cristina na época. Todos confirmaram a versão do Itamaraty e disseram que ela chegou à Noruega muito fragilizada e com medo do marido.