Aos Fatos

Antonio Cruz/ABr

Temer omite reajuste cancelado do Bolsa Família

Por Tai Nalon

12 de agosto de 2016, 23h33


O presidente interino Michel Temer afirmou, em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta sexta-feira (12), que o governo federal ficou dois anos e meio sem reajustar o Bolsa Família. Segundo ele, o aumento de 12,5% concedido pelo Palácio do Planalto em junho passado reforça seu compromisso com programas sociais herdados das administrações petistas.

Aos Fatos checou a afirmação junto às bases do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e do Diário Oficial da União. Constatou que o peemedebista omitiu ter cancelado um reajuste concedido pela presidente afastada, Dilma Rousseff, dias antes de sair do cargo.

Além disso, diferentemente do que o presidente interino disse, o último reajuste oficial foi dado em junho de 2014, dois anos antes.

A conclusão é que o conteúdo da declaração deve ser considerado FALSO. Veja o que checamos.


FALSO
Bolsa Família é importante. Revalorizamos, depois de dois anos e meio sem revalorização, em 12,5%.

O último reajuste de fato do governo Dilma ocorreu em maio de 2014, quando o Planalto autorizou aumento de 10% no valor do benefício. Durante a campanha pela reeleição, ela chegou a prometer que, em janeiro de 2015, concederia novo aumento ao programa, mas isso não ocorreu.

Já sob pressão do processo de impeachment, Dilma anunciou no 1º de maio deste ano reajuste de 9% no Bolsa Família. Em 6 de maio de 2016, o decreto nº 8.747 foi publicado no Diário Oficial da União. Segundo o texto, os beneficiários do programa passariam a receber os valores de R$ 164 e R$ 82 para famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, respectivamente, respeitando tetos e variáveis per capita.

Porém, depois de assumir a Presidência interinamente, Temer sustou o decreto. O Diário Oficial da União registrou, em 30 de junho de 2016, o cancelamento do reajuste proposto por Dilma.

Um dia antes, porém, o peemedebista anunciara aumento de 12,5% no Bolsa Família. Os novos valores são de R$ 170 e R$ 85 para famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza e estão em vigor desde 1º de julho deste ano.

Selo. Temer preferiu omitir as idas e vindas do reajuste do Bolsa Família durante a entrevista, ainda que o valor reajustado por Dilma tenha vigorado por quase dois meses. Segundo o UOL, o pagamento autorizado pela presidente afastada nunca foi efetuado.

O presidente interino ainda erra ao calcular o intervalo de tempo entre um reajuste a outro: foram dois anos, em vez de dois anos e meio. O próprio Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário referenda o equívoco do peemedebista.

Por isso, Aos Fatos dá à afirmação do peemedebista o selo de FALSO, conforme nosso método.


Esta checagem foi feita colaborativamente, como resultado da oficina Verificação de Discurso Político do I Encontro Baiano de Mídia Livre, ocorrido em 12 de agosto de 2016, em Salvador.