Aos Fatos

Site fabrica informação ao dizer que Gilmar Mendes deixará STF caso Bolsonaro seja eleito

Por Alexandre Aragão

21 de setembro de 2018, 20h00


Um texto publicado pelo site República de Curitiba afirma que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, declarou que deixará o cargo caso o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) seja eleito. Não há registro de que o magistrado tenha dito isso em qualquer hipótese. A informação, portanto, é FALSA.

O texto do República de Curitiba tira de contexto uma nota do colunista Ricardo Noblat, publicada no site da revista Veja no fim de julho, a fim de sustentar que Gilmar prometeu deixar a toga caso Bolsonaro vença. A nota, porém, não atribui em momento algum ao ministro do STF a declaração. Após a informação falsa viralizar, o ministro negou, em entrevista ao Diário do Poder, que cogita deixar o tribunal caso o presidenciável seja eleito. O ministro compartilhou, em sua conta oficial no Twitter, o desmentido.

Confira abaixo, em detalhes, o que Aos Fatos checou.


FALSO

'Caso Bolsonaro seja eleito, saio do STF', diz Gilmar Mendes

Na nota de Noblat citada pelo República de Curitiba, o jornalista escreve que “um dos 11 ministros do STF (…) disse que se o deputado Jair Bolsonaro (PSL) se eleger presidente, deixará o tribunal ainda este ano para que seu substituto seja imediatamente indicado pelo governo”. Em nenhum momento o nome de Gilmar Mendes é citado.

O texto do República de Curitiba não acrescenta mais nenhuma informação à nota de Noblat. Porém, apesar de copiar a nota publicada na revista Veja na íntegra, o site alterou o título e incluiu o nome de Gilmar Mendes. Em entrevista ao site Diário do Poder, na tarde desta sexta (21), o ministro negou que pense em se aposentar por causa de Bolsonaro: “Eu nunca disse isso, que absurdo”, afirmou. “Estou tranquilo em relação a qualquer resultado das urnas”.

A informação falsa circulou principalmente no Twitter, onde foi retuitada centenas de vezes, e muitos usuários demonstraram acreditar na mentira. No Facebook, o link, publicado pela página República de Curitiba, teve mais de 51 mil compartilhamentos desde a manhã desta sexta-feira (21), segundo a ferramenta de monitoramento Crowdtangle.