Aos Fatos

Posts usam fotos de 2015 e 2018 como se fossem de manifestações atuais

Por Luiz Fernando Menezes

14 de agosto de 2019, 15h45


Publicações que circulam no Facebook usam fotos de manifestações antigas como se fossem dos protestos desta terça-feira (13) contra os cortes na educação e políticas do governo Bolsonaro (veja aqui). Das seis fotos que constam no álbum, duas retratam atos realizados em 2015 e em 2018. As outras são, de fato, atuais.

Denunciadas por usuários do Facebook, as postagens feitas pela página Movimento Moro na Cadeia e por um perfil pessoal já reuniam ao menos 2.400 compartilhamentos nesta quarta-feira (14) e foram marcadas por Aos Fatos com o selo DISTORCIDO na ferramenta de verificação da rede social (veja como funciona). Esta classificação é empregada quando um conteúdo verdadeiro é retirado do contexto original ou apresentado junto a informações falsas.


DISTORCIDO

Publicações que circulam no Facebook para exaltar os atos promovidos pelo país nesta terça-feira contra políticas do governo Bolsonaro usam fotos de manifestações antigas, de 2015 e de 2018, como se atuais fossem.

A primeira foto apresentada na série de seis imagens é de setembro de 2018 e retrata momento de uma manifestação em Curitiba (PR) em repúdio à candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência. A imagem foi registrada por Ricardo Stuckert, do Instituto Lula.


A outra foto é ainda mais antiga: foi clicada em agosto de 2015 pelo fotógrafo da Agência Brasil José Cruz na 5ª Marcha das Margaridas, protesto organizado por trabalhadoras rurais, em Brasília.

As publicações verificadas também trazem fotos que retratam efetivamente protestos realizados nesta terça-feira, tanto os convocados por estudantes e centrais sindicais contra os cortes na educação quanto o de mulheres indígenas, em defesa da demarcação de terras indígenas e contrário às políticas ambientais de Bolsonaro.

Das manifestações pela educação, constam nas postagens checadas uma foto tirada no protesto em Salvador e outra registrada em Brasília. As demais são da 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, na capital federal. Nas duas, apesar da expressiva presença de apoiadores do ex-presidente Lula, o pedido de libertação do petista não constava na pauta de reivindicações dos manifestantes, diferente do que sugere o texto da publicação checada.

Referências:

1. UOL
2. Instituto Lula
3. Revista Exame
4. EBC
5. CUT
6. PT