Aos Fatos

Pesquisa atribuída ao BTG Pactual tem nova versão falsa

Por Judite Cypreste

27 de outubro de 2018, 20h30


É FALSA uma corrente que circula no WhatsApp que atribui ao banco BTG Pactual uma pesquisa que aponta o candidato Jair Bolsonaro (PSL) com 77% dos votos válidos contra 23% de Fernando Haddad (PT). A mensagem circula nas redes sociais sempre às vésperas da divulgação de pesquisas decisivas, mas não corresponde à realidade.

Segundo a corrente, o BTG Pactual teria realizado um tracking — tipo de pesquisa de opinião para monitoramento interno de empresas e campanhas políticas — em que Bolsonaro teria vantagem de quase 50 pontos percentuais em cima de Haddad. A instituição financeira, em nota, informou a Aos Fatos que a pesquisa é “fake news”. Além disso, o banco diz não realizar pesquisas para o “mercado financeiro”, como informa a corrente — apenas encomenda levantamentos registrados no TSE ao Instituto FSB Pesquisas.

A falsa corrente foi enviada por leitores do Aos Fatos no WhatsApp com pedido de checagem. Para sugerir, envie uma mensagem para (21) 99956-5882.


FALSO

URGENTE: PESQUISA Tracking BTG. Acabou de Sair para o Mercado Financeiro: Bolsonaro 77%. Haddad 23%

Uma corrente com dados de uma suposta pesquisa feita pelo banco BTG Pactual voltou a circular nas redes sociais. De acordo com a peça de desinformação, o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro estaria com 77% dos votos válidos — quando se descontam os percentuais de votos em branco, nulos e de indecisos — enquanto seu oponente, Fernando Haddad, teria apenas 23%.

A FSB Comunicação, em nota enviada ao Aos Fatos, informou que a pesquisa divulgada na corrente “não existe. É fake news”. Além disso, o banco não realiza pesquisas para o “mercado financeiro”, como informa a corrente, apenas encomenda levantamentos registrados no TSE ao Instituto FSB Pesquisas.

No segundo turno, o BTG Pactual encomendou duas pesquisas ao Instituto FSB Pesquisas. Na pesquisa mais recente divulgada no último domingo (21) Bolsonaro tinha 60% dos votos válidos; Haddad, 40%. Os dados foram coletados entre 20 e 21 de outubro. A outra pesquisa, divulgada em 14 de outubro, aponta 59% dos votos válidos para Bolsonaro contra 41% para Haddad, com dados coletados entre 13 e 14 de outubro. As duas pesquisas têm margem de erro de dois pontos percentuais

Pelo menos duas versões anteriores dessa corrente, com o mesmo texto, mas com intenções de votos diferentes, já circularam nas redes e foram checadas. O Truco, projeto de checagem da Agência Pública, checou uma versão dessa corrente na terça-feira (23). Na ocasião, Bolsonaro aparecia com 52%, enquanto Haddad tinha 48% dos votos válidos.

O site Boatos.org também checou a mesma corrente em 13 de outubro. Na ocasião, os números eram 63% para Bolsonaro e 37% para Haddad.

Um outro indicativo para a falsidade da corrente é a ausência de informações. Não há o número de registro da pesquisa junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Sem o registro, a pesquisa não tem qualquer validade legal e não pode ser divulgada. Tampouco há links externos que levem para um relatório ou uma análise mais aprofundada do conteúdo, como é comum em pesquisas de opinião. A falta da data de publicação e também da coleta de dados não existe na peça de desinformação. Todos essas características atestam a falsidade da corrente.


Esta reportagem foi alterada às 15h40 do dia 28 de outubro de 2018 para informar que a nota enviada ao Aos Fatos negando o conteúdo da pesquisa é de autoria da FSB Pesquisas, e não do BTG.