Aos Fatos

Papa Francisco não cancelou Bíblia e propôs novo livro

Por Luiz Fernando Menezes

25 de abril de 2019, 15h07


É falsa a notícia de que o Papa Francisco teria cancelado a Bíblia por crer que a obra estava “desatualizada” para os dias atuais e que a Igreja deveria substituí-la por outro livro. A desinformação surgiu como piada em um site satírico dos EUA em 2018 e logo passou a ser difundida como verdade nas redes sociais. Ao Aos Fatos, o Vaticano negou a veracidade dessas informações.

Denunciados por usuários do Facebook, posts com esse conteúdo enganoso já acumulavam, juntos, mais de 9.000 compartilhamentos na manhã desta quinta-feira (25). As publicações foram marcadas por Aos Fatos com o selo FALSO na ferramenta de verificação disponibilizada pela rede social (entenda como funciona).


FALSO

Papa Francisco cancela a Bíblia e propõe criar um novo livro.

Segundo as publicações que circulam nas redes sociais, o Papa Francisco disse que Bíblia era um documento “desatualizado” e que a igreja deveria “reescrever a palavra de Deus”. O texto enganoso sustenta, inclusive, que personalidades do catolicismo já consideravam chamar o novo livro de “Bíblia 2000”.

O Vatican News, veículo oficial do Vaticano, contatado por Aos Fatos, negou: “sabendo que o Papa Francisco sempre surpreende, atribuem a ele as coisas mais absurdas possíveis. E o pior é que se propaga que nem fogo na palha”.

A notícia falsa é reciclada e importada: já aparece nas redes sociais desde abril de 2018, quando foi publicada pelo site satírico americano There is News. O domínio, no entanto, deixa claro em sua página que se trata de um “site de humor cujo propósito é o entretenimento”.

No ano passado, os sites de checagem americanos Snopes e o PolitiFact fizeram verificações sobre o mesmo conteúdo falso.