Aos Fatos

Pixabay

Nove dicas para verificar a autenticidade de vídeos e fotos

publicado em: 11 de abril de 2017, às 16h15


Este guia é de autoria de Henk van Hess, especializado em verificação e professor na Axel Springer Akademie, em Berlim. Foi produzido pela International Fact-Checking Network por ocasião do Dia Internacional do Fact-Checking e agora é parte de uma série que Aos Fatos traduz para o português.


Centenas de milhões de fotos e vídeos são lançados na internet diariamente. Essa quantidade de informação online nos permite descobrir e verificar vários fatos, mas também pode nos desorientar. Às vezes, uma busca simples não é suficiente para encontrar imagens de origem confiável, de modo que listamos nove dicas para ajudá-lo a aprofundar suas pesquisas.

1

Buscar por de imagens semelhantes

Em 27 de setembro de 2014, às 23h19, um jihadista da Holanda tuitou a seguinte foto:

Muhajiri Sháám afirmou que o que ele considerava mártires holandeses e britânicos foram enterrados na cova retratada. Porém, onde e quando isso aconteceu? Se você arrastar uma foto para o Google Imagens, a ferramenta irá mostrar se essa foto já havia sido publicada na internet anteriormente. O mesmo pode ser feito com a ferramenta Yandex, que também organiza seus resultados conforme a resolução da imagem, o que ajuda na hora de enxergar detalhes que podem passar batido em uma versão com menor nível de detalhe.

A foto já havia sido publicada anteriormente por várias outras contas de jihadistas no Twitter. Havia um único tweet antes de 27 de setembro, de origem em um perfil de propaganda (@ibnnabih). Essa fonte identificou o evento dois dias antes do tweet de Sháám.

2

Pergunte pela fonte

Não confie apenas nessas ferramentas. Se a busca terminar apenas no perfil @ibnnabih (hoje suspensa), não será possível provar qualquer coisa. Porém, se a informação não está lá, não significa que não existe. Perguntei a @ibnnabih de onde havia tirado aquela foto. Ele respondeu ter tirado de um perfil chamado @Mrsad_JH, e, conforme explica abaixo, não sabia dizer se outros perfis que também retuitavam a foto tinham visto no mesmo lugar.

@Mrsad_JH, também um perfil de propaganda jihadista, postou a mesma foto três dias antes do tweet holandês:

Google e Yandex não registraram esse tweet. Sem perguntar, a pesquisa teria terminado em @ibnnabih, e não @Mrsad_JH. Mais pesquisas de tipo nos permitiu encontrar uma foto que poderia ser geolocalizada em Kafr Derya, onde guerrilheiros Jabhat al-Nusra haviam sido mortos em combate por um míssil.

3

Reverse searching videos

Pode um vídeo de russos bombardeando a Síria ser falso? Dá trabalho pesquisar por frames de vídeos no Google ou no Yandex. Por isso, a melhor opção é o Youtube Dataviewer. Ele extrai quatro miniaturas de qualquer vídeo no YouTube e faz uma varredura por imagens semelhantes. A ferramenta também fornece data e hora exatas do upload, o que às vezes é diferente da informação prestada na interface do YouTube.

4

Encontrando material apagado (1)

Pessoas tiram do ar sites, perfis de redes sociais e outros conteúdos online o tempo todo. Isso faz com que seja mais difícil encontrá-los, mas não impossível. Vamos a um exemplo concreto: o príncipe Louis e a princesa Tessy de Luxemburgo se divorciaram. A princesa fechou sua conta no Instagram. O site The Internet Archive, primeiro lugar onde checar informações deletadas, não acusou nada.

Porém, com o truque que vamos mostrar, é possível ter esperança. O endereço web da conta da princesa era Instagram.com/tessy_de_luxembourg. É possível que pessoas tenham feito referência a esse link (1) ou que tenham republicado informações sobre Tessy dando crédito à fonte original. Em qualquer hipótese, precisamos excluir da busca qualquer informação do Instagram (2) para ver se encontramos esses links.

E, de fato, encontramos. Seu estilista havia postado esta foto:

5

Encontrando material apagado (2)

Conteúdo online pode ser deletado facilmente, mas, às vezes, pode apenas ter mudado de endereço por conta de alterações estruturais em sites. Esse fenômeno é também chamado de “link quebrado” e faz com que fotos e vídeos mais antigos sejam mais difíceis de ser encontrados.

Pouco tempo atrás, queríamos encontrar registros de autorização para perfurações no Iraque antes de 2011, além do logo de uma petroleira. O problema é que o único site que eu conhecia e que poderia ter essa informação, http://www.noc.oil.gov.iq, havia sido lançado apenas em 2012.

Como eu saberia qual o link para documentos do tipo antes de 2011? Ao procurar por "norte do iraque petroleira site:iq" na Wayback Machine, resolvemos o impasse. Esse mecanismo do archive.org ajuda a prever a URL de um website que não está mais no ar. Além de entregar duas versões anteriores de um site, indica quantos documentos, fotos e arquivos de áudio foram salvos dali.

6

A arte de saber onde se está


A locação de vídeos tremidos pode ser difícil de determinar. Gostamos de uma pequena ferramenta chamada Hugin, que permite que você converta esse tipo de gravação em uma foto panorâmica. Isso pode levar ao início de uma jornada pelo Google Earth, por exemplo.

Explicamos esse processo com mais detalhes no artigo “Inside the trenches of an information war”.

Se você quiser aprender técnicas de geolocalização, dê uma olhada nos sites Geoguessr ou First Draft News. Porém, leia primeiro “Verification and Geolocation Tricks and Tips with Google Earth” .

7

Metadados

Uma excelente ferramenta para encontrar mais informações sobre qualquer fotografia é a Imgops. Ela revela possíveis coordenadas de GPS, a data de publicação e a data em que a foto foi tirada.

É importante que você saiba a qual fuso horário o metadado se refere. O jornal holandês NRC teve de se corrigir depois de afirmar que a icônica fotografia abaixo (da sala de crise da Casa Branca durante a missão que matou Osama bin Laden) foi tirada cinco horas antes de o evento ter de fato ocorrido. O que aconteceu foi que os repórteres não consideraram o fuso horário ao analisar a data registrada.

8

'Photoshopada' ou não?

Mesmo registros jornalísticos são alterados com Photoshop. Izitru detecta padrões que indicam edição pesada de fotos. Infelizmente, ao perceber que a sua foto não é uma foto original de uma câmera, a ferramenta já considera o material de origem suspeita. FotoForensics é de tecnologia mais sofisticada (see their FAQ) e registra com facilidade se as fotos foram muito alteradas.

9

Processando horas de vídeos

Recentemente, assisti a quatro horas de vídeos no YouTube para descobrir se alguém mencionava a palavra “mujahideen”. O único problema era que eu só tinha uma hora para fazer isso. O que eu fiz foi fazer o download do canal do YouTube com uma ferramenta gratuita chamada 4kdownload. Desse modo, eu poderia fazer o download de quatro horas de vídeo em 23 minutos.

O Soundbite pode encontrar qualquer palavra ou frase em arquivos de áudio e vídeo. Ele processou quatro horas de gravações baixadas do YouTube em apenas 10 minutos, o que me permitiu fazer a pesquisa pela palavra que eu queria a tempo. Toda vez que a palavra é dita no vídeo, a ferramenta irá me mostrar precisamente o momento (veja abaixo).


Quer saber como detectar notícias falsas? Leia o nosso manual.