Aos Fatos

'Mamadeiras eróticas' não foram distribuídas em creches pelo PT

28 de setembro de 2018, 15h31


É falsa a afirmação de que mamadeiras com bico de borracha em formato de pênis foram distribuídas em creches pelo PT para combater a homofobia, como sustenta um vídeo compartilhado no Facebook na última terça-feira (25) e que, em sua publicação original, já contava com mais de 92 mil compartilhamentos nesta sexta-feira (28).

Na gravação, um homem mostra o objeto e diz que a mamadeira é "distribuída em creche, para seu filho, com a desculpa de combater a homofobia". O vídeo não menciona em qual unidade de ensino, município ou Estado ocorreria a suposta distribuição. Ele ainda afirma que se trata de "parte do kit gay, uma invenção de Haddad", em referência ao candidato à presidência pelo PT, Fernando Haddad.

Embora vários usuários tenham entendido a publicação como sátira, ironizado o post e contestado a veracidade do conteúdo nos comentários, houve quem manifestasse indignação e revolta, confiando nas informações do autor.

O PT, a campanha de Fernando Haddad e o Ministério da Educação negaram que tenha havido a distribuição do produto em creches públicas.

Este conteúdo foi originalmente verificado pelo Comprova — coalizão de 24 veículos de imprensa brasileiros para combater a desinformação nas redes sociais. Aos Fatos, que atesta as informações desta checagem, é parceiro institucional da iniciativa.

Denunciado por usuários do Facebook, as publicações com este vídeo foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).

Confira, abaixo, mais detalhes do que foi verificado.


FALSO

OLHA O QUE O PT ESTÁ COLOCANDO NAS CRECHES MEU DEUS DO CÉU

É falsa a afirmação de que mamadeiras com bico de borracha em formato de pênis foram distribuídas em creches pelo PT para combater a homofobia. Em um vídeo publicado por um usuário do Facebook, no dia 25 de setembro, o autor da gravação mostra o objeto e diz que a mamadeira é "distribuída em creche, para seu filho, com a desculpa de combater a homofobia". O vídeo não menciona em qual unidade de ensino, município ou Estado ocorreria a suposta distribuição. Ele ainda afirma que se trata de "parte do kit gay, uma invenção de Haddad", em referência ao candidato à presidência pelo PT, Fernando Haddad.

Embora vários usuários tenham entendido a publicação como sátira, ironizado o post e contestado a veracidade do conteúdo nos comentários, houve quem manifestasse indignação e revolta, confiando nas informações do autor. Até a tarde desta sexta-feira, 28 de setembro, o Facebook informava que 5,4 mil pessoas que curtiram o vídeo haviam reagido com humor (Haha); outras 2,8 mil com indignação (Grr).

Além da publicação original, o vídeo foi replicado em posts de outros perfis pessoais na rede e, novamente, muitos usuários afirmaram acreditar na veracidade do conteúdo.

O Comprova fez buscas com a descrição do objeto no Google e constatou que o produto existe e é comercializado para o público adulto em sex shops. Uma das lojas que anuncia a venda pela internet informou ao Comprova que a mercadoria é importada.

A Secretaria Nacional de Comunicação do PT disse desconhecer o vídeo do Facebook e afirmou que o partido e a campanha de Haddad não tem qualquer ligação com o produto mostrado na gravação.

O Ministério da Educação (MEC) observou que cada município e Estado é autônomo e que a gestão de educação básica é dos entes federados, confirmando que não existiu distribuição de material daquele tipo por parte do governo federal.

O Comprova tentou contato com o responsável pelo post no Facebook para esclarecer se ele é o autor da gravação e qual seria sua intenção ao divulgar o vídeo, mas não obteve resposta até a publicação desta verificação. As publicações mais recentes do perfil apoiam candidatura de Jair Bolsonaro.

A publicação original do vídeo no Facebook teve 3,5 milhões de visualizações e mais de 92 mil compartilhamentos entre os dias 25 e 28 de setembro.


Aos Fatos é parceiro institucional do Comprova. Por meio dessa parceria, reproduz gratuitamente o conteúdo gerado pelo consórcio e presta consultoria sem contrapartida sobre tecnologia em checagem de fatos. A iniciativa é uma coalizão de 24 veículos de imprensa cujo objetivo é combater a desinformação durante as eleições presidenciais.