Aos Fatos

Seja um apoiador

Checamos

Leia as últimas declarações checadas pela equipe do Aos Fatos

Mais

Explore todos os nossos conteúdos e checagens

É falso tweet em que Dilma confunde Morro de São Paulo com estado de SP

Por Luiz Fernando Menezes

30 de outubro de 2019, 14h38


Não é verdade que a ex-presidente Dilma Rousseff publicou um tweet em que confunde a localização de Morro de São Paulo, que fica na Bahia, com a do estado de São Paulo (veja aqui) ao comentar uma notícia sobre o avanço do óleo na costa do Nordeste. A montagem não é similar a nenhuma das publicações da petista no Twitter, como Aos Fatos verificou. A assessoria de Dilma também negou a autoria do post.

Compartilhadas por páginas e perfis pessoais no Facebook, publicações com a imagem do tweet falso tinham cerca de 1.500 compartilhamentos até a tarde desta terça-feira (29). Todas foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


FALSO

Circula nas redes sociais a imagem de um tweet atribuído à ex-presidente Dilma Rousseff no qual ela comentaria uma reportagem sobre a chegada de petróleo às praias de Morro de São Paulo, na Bahia. Segundo a publicação Dilma teria escrito que o óleo chegou ao estado de São Paulo, o mais rico do país. No entanto, conforme foi verificado por Aos Fatos, não há registros de que a ex-presidente tenha publicado tal informação. No Twitter oficial de Dilma, a última publicação com a palavra “óleo” foi feita em abril de 2015, quando ela falava sobre a produção do pré-sal.

Além disso, o falso tweet teria sido publicado no dia 22 de outubro, quando não há nenhuma postagem da ex-presidente. Por fim, contatada por Aos Fatos, a assessoria de Dilma negou que a ex-presidente tenha publicado o tweet.

A notícia utilizada na montagem, no entanto, é verdadeira. No dia 22 de outubro, a Folha de S.Paulo publicou que as manchas de óleo que atingem o litoral nordestino chegaram às praias de Morro de São Paulo, no distrito de Cairu (BA). Praias da região, inclusive, chegaram a ser interditadas por causa do petróleo.

Referências:

1. Folha de S.Paulo