Aos Fatos

Roosewelt Pinheiro / Agência Brasil

Ciro Gomes não garantiu que vai diminuir salários de médicos; site distorce informações

Por Bernardo Moura

6 de junho de 2018, 19h25


Não é verdade que “Ciro Gomes garante que vai diminuir salários de médicos, caso chegue ao Planalto”, como diz título de texto publicado no site Ceará News na última segunda-feira (4), e que foi marcado por usuários do Facebook como uma notícia potencialmente falsa (veja como funciona).

A postagem sustenta a afirmação com base em um vídeo com trecho de uma entrevista concedida por Ciro Gomes a estudantes na Argentina, em junho de 2016. Nela, Ciro, atual pré-candidato do PDT à Presidência da República, tece críticas ao nível da remuneração dos médicos no interior do Brasil, classificado por ele como “fora da realidade”, e sugere genericamente “que pondere o orçamento discriminado de recursos humanos”. Em nenhum momento, porém, ele garante que, se eleito presidente, reduzirá salários dos médicos.

A assessoria do pedetista negou a Aos Fatos nesta quarta-feira (6) a veracidade do conteúdo publicado pelo Ceará News. Veja o que checamos.


FALSO

Ciro Gomes garante que vai diminuir salários de médicos, caso chegue ao Planalto.

A postagem do site Ceará News tem quatro parágrafos e um vídeo. Logo no início, o texto diz que Ciro Gomes “garante que, caso chegue à Presidência, irá interferir nos salários dos médicos do serviço público”. Em seguida, apresenta uma declaração do pedetista, que, em tese, evidenciaria a proposta de reduzir a remuneração dos profissionais: “Os salários dos médicos no Brasil, no interior do Ceará, são completa e exorbitantemente fora da realidade. Um médico, invariavelmente, na pequena comunidade, tem o salário maior do que todas as pessoas da cidade, inclusive do juiz”.

Além de não provar que o pré-candidato teria garantido a diminuição de salários, se eleito, a declaração exposta no site foi editada e retirada do contexto original, como Aos Fatos constatou na análise do vídeo publicado na própria postagem do Ceará News.

A entrevista mostrada no vídeo foi realizada em junho de 2016 na Universidad Nacional de Rosario, durante passagem de Ciro Gomes pela Argentina. Na época, o PDT já admitia a candidatura presidencial do político. As perguntas foram conduzidas por Willian Cardoso — estudante de medicina de Rosario e dono de um canal no YouTube com 22 mil assinantes. O conteúdo original tem 14 minutos e cinco segundos e acumula 18.342 visualizações.

Já a versão editada, que tem três minutos e meio, foi publicada pela primeira vez no YouTube pela página Cirão da Massa, de apoio ao pré-candidato do PDT, em julho de 2016. Nesta segunda-feira, o vídeo voltou a aparecer na rede, desta vez no perfil do Ceará News.

Sem a omissão dos trechos, ao responder pergunta sobre como o governo deveria trabalhar, a longo prazo, para levar a atenção básica a todo o Brasil, podemos ouvir Ciro dizer: “então, os salários dos médicos no interior do Brasil, e no interior do Ceará, são completa e exorbitantemente fora [da realidade]… não que não mereça, uma formação desse nível merece o melhor salário, mas como estamos falando da realidade brasileira, você tem salários que são completamente fora dessa realidade”.

E continuou: “O médico invariavelmente em uma pequena comunidade tem um salário maior do que todas as pessoas da cidade, inclusive o juiz, e troca também por coisas que são: presença só por dois dias na semana, no turno de trabalho… Enfim, [isso ocorre] é porque há uma demanda tão violenta e há financiamentos para estabelecer que haja saúde da família”.

Mais adiante, Ciro Gomes sugere “que pondere mesmo o orçamento discriminado de recursos humanos” como uma das formas de melhorar a formação e a distribuição de médicos no território nacional. No entanto, a afirmação é genérica demais para dar garantias que haverá cortes nos salários dos médicos em um eventual governo do pedetista, como alardeou novamente o site Ceará News, em postagem nesta quarta-feira (6). Afinal, ponderar o orçamento pode tanto significar redução como aumento ou manutenção de receitas e despesas, já que o verbo é sinônimo de ‘avaliar’ e ‘examinar’. Questionada por Aos Fatos, assessoria de Ciro Gomes não deu mais detalhes sobre o que o pré-candidato quis dizer com a frase.

Na íntegra, disse Ciro Gomes neste trecho do vídeo: “então se não houver uma questão de ordem pública que interfira na formação e que requalifique, que pondere mesmo o orçamento discriminado de recursos humanos e inverta a lógica de uma superespecialização muito precoce para uma formação generalista - quem sabe essas ideias aí de fazer primeiro a residência na Saúde da Família pra depois vir... enfim, como os promotores, por exemplo. Eu simpatizo com a ideia de uma carreira de Estado médica”.

Em resposta a Aos Fatos, a assessoria de Ciro Gomes disse que a informação contida na postagem do Ceará News “é mentirosa” e que o site é mantido por adversários dos irmãos Gomes no Ceará — mas não citou nomes.