Aos Fatos

Seja um apoiador

Checamos

Leia as últimas declarações checadas pela equipe do Aos Fatos

Mais

Explore todos os nossos conteúdos e checagens

Bolsonaristas resgatam vídeo antigo de Drauzio Varella para difundir desinformação sobre Covid-19

Por Tai Nalon

22 de março de 2020, 16h49


Um vídeo do médico Dráuzio Varella divulgado em janeiro deste ano é compartilhado nas redes sociais como se fosse atual, causando desinformação sobre a pandemia do novo coronavírus (veja aqui). Resgatado neste domingo (22) pelos perfis oficiais no Twitter do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) e do senador Flávio Bolsonaro (sem partido), o vídeo traz informações desatualizadas sobre a crise da Covid-19 e cria confusão ao misturar recomendações verdadeiras, como não criar pânico, com outras agora pouco efetivas, como manter a vida normal. Sites também amplificam desinformação e usam títulos falsos para desorientar.

Em nota no seu site, a equipe que trabalha com o médico classificou como "desserviço" esse tipo de divulgação, que, segundo eles, está "confundindo a população". "Estão fazendo uso político e divulgando um vídeo antigo produzido por nós sobre coronavírus, publicado em 30/01. Não sabemos por qual motivo ou qual a intenção, mas isso é desserviço", afirmaram os administradores do portal Dráuzio Varella. Eles informam terem retirado do ar o vídeo em questão e anunciam ter publicado informações mais atualizadas sobre a pandemia.

Na última quinta-feira (19), o médico divulgou novo vídeo com orientações mais atualizadas: "reforcem as medidas de precaução, as medidas preventivas, que vocês já sabem quais são: lavar as mãos, evitar ficar próximo de outras pessoas e, especialmente, proteger os mais velhos, as pessoas que você tem em casa: seus pais, seus avós".

A desinformação já angariou mais de 42 mil compartilhamentos em redes como Twitter e Facebook, além de ter sido marcada com o selo FALSO na ferramenta de verificação desta última plataforma (saiba como funciona).


FALSO

Drauzio Varella defende que brasileiros não fiquem em quarentena

Amplificado por políticos como Flávio Bolsonaro e Ricardo Salles, o vídeo antigo de Drauzio Varella também é republicado por sites de desinformação com títulos mentirosos como "Drauzio Varella concordou com Bolsonaro: 'resfriadinho e nada'", "Drauzio Varella defende que brasileiros não fiquem em quarentena". Um post no Facebook afirma que o médico disse que "coronavírus é fantasia". Isso é FALSO.

O próprio Drauzio já afirmou em vídeo que "Não pode a pessoa ficar minimizando, falando 'ah, isso não é nada', 'não morre ninguém', 'é besteira', 'dá um resfriadinho'.


Os administradores do site de Drauzio Varella afirmaram, em nota publicada neste domingo, o seguinte: "No início deste ano, a pandemia não havia chegado ao Brasil, portanto produzimos conteúdo para acalmar a população que, à época, não tinha motivos para alterar o ritmo de vida diário (o vídeo antigo que circula data de 30/01, quando a Itália tinha somente dois casos confirmados)".

Os administradores do portal também afirmam que "a situação mudou drasticamente. E vai continuar mudando, pois a pandemia é dinâmica. Orientações antigas não servem para este momento". Veja a íntegra.

O último vídeo com informações mais atuais sobre o novo coronavírus está abaixo:

Um dia antes, o médico também já havia publicado vídeo em que pedia à população para usar "bom senso e fontes confiáveis" para se informar sobre a pandemia.

"Vale também reforçar aos mal intencionados que estão relacionando a recomendação de não entrar em pânico com orientações que minimizam a necessidade de quarentena: Não entrar em pânico é uma recomendação geral para enfrentarmos a pandemia de Covid-19 tomando decisões conscientes. Nos locais em que há recomendação de entrar em quarentena, é preciso entrar, sim. Entrar em isolamento social sem entrar em pânico", reitera a equipe do médico.

Como era a crise do coronavírus em janeiro. Em 30 de janeiro, quando Drauzio Varella compartilhou o vídeo em questão, eram 7.818 casos de Covid-19 confirmados no mundo, sendo 99% deles na China. Todas as 170 mortes eram apenas na China. Os dados são da OMS (Organização Mundial da Saúde). Não havia qualquer caso confirmado no Brasil. O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde disponível à época, de 22 de janeiro, menciona apenas um caso suspeito e descartado no DF.

Como é a crise agora. Quando o ministro e o senador postaram o vídeo antigo do Drauzio Varella, já haviam sido confirmados 32 mil novos casos de Covid-19, sendo apenas 0,3% (116 casos) na China. Até o último sábado (21), havia um total de 266.073 casos confirmados em todo o mundo, com notificação em todos os continentes. Ao todo, 11.184 pessoas morreram por Covid-19 até sábado, de acordo com o último boletim disponível da OMS.

No Brasil, no último sábado, havia 1.1128 casos e 18 mortes, segundo o Ministério da Saúde. Neste domingo, o órgão informou que o número de casos subiu para 1.546 e já são 25 mortes no total.

Colaboraram Ana Rita Cunha e Bruno Fávero


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.