Aos Fatos

Atirador de Campinas não era filiado ao PT

Por Luiz Fernando Menezes

14 de dezembro de 2018, 16h29


Não é verdade que o homem que abriu fogo contra fiéis na Catedral Metropolitana de Campinas na última terça-feira (11) era filiado ao PT nem há indícios de que o crime tenha motivações políticas. A imagem que circula nas redes sociais mostra a filiação do pai do criminoso, Eder Grandolpho, como se fosse do filho, Euler Grandolpho, para sugerir a ligação com o partido.

A montagem originalmente publicada pela página Movimento Avança Brasil foi apagada do perfil, mas foi republicada por um perfil pessoal.

A peça de desinformação foi denunciada por usuários do Facebook. Aos Fatos marcou a montagem com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


FALSO

Petista atira e mata cristãos! Isto a imprensa comunista não fala!!!

Uma montagem com o selo da página Movimento Avança Brasil está associando, falsamente, o atirador de Campinas com o Partido dos Trabalhadores: “arma com número de série raspada, filiado ao PT, atirando indiscriminadamente em local religioso… deve ser uma combinação de ‘coincidências’!”.

Mas não há registro de que o atirador, identificado como Euler Fernando Grandolpho, era ou já foi em algum momento filiado ao PT ou a qualquer outro partido. A busca pelo nome do atirador na base de dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não rendeu resultados.

Também não foram encontrados registros de que o atirador tenha se posicionado durante as eleições. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, Grandolpho era de família católica, sofria de depressão e era uma pessoa fechada (seu perfil no Facebook tinha apenas oito amigos). Segundo uma ex-namorada, tinha posições conservadoras e chegou a manifestar posições racistas. O atirador morava com o pai, cuja atuação na Igreja Católica era criticada pelo filho.

Seu pai, Eder Grandolpho, por outro lado, é filiado ao PT desde 1995. O nome, como é muito parecido com o do filho, foi utilizado pela publicação enganosa para dizer que o atirador era integrante do partido. O pai do atirador não está sendo investigado pela polícia nem teve seu nome apontado como participante do atentado à igreja.

Apoio a Bolsonaro. Além do falso vínculo com o PT, também não é possível afirmar que o atirador de Campinas tenha declarado apoio a Jair Bolsonaro nas últimas eleições. Uma montagem que circula nas redes sociais sobrepõe a uma foto de Euler o slogan de campanha do presidente eleito. Aos Fatos não identificou registros de seus posicionamentos políticos nas redes sociais.

O caso, que aconteceu na última terça-feira (11) e deixou cinco mortos, além do atirador, que cometeu suicídio, tem sido muito citado em boatos e peças de desinformação. Nesta semana, Aos Fatos já checou uma foto que sugeria que o padre da Catedral teria incitado violência ou demonstrado apoio a Bolsonaro no passado, o que também não é verdade.