Aos Fatos

Reprodução

Aos Fatos lança campanha anual de arrecadação

3 de maio de 2017, 00h01


Com o objetivo de financiar suas operações por até seis meses e desenvolver novos formatos de checagem, Aos Fatos lança nesta quarta-feira (3) sua campanha anual de arrecadação — a segunda desde o lançamento do site, em julho de 2015.

A iniciativa parte do princípio de que o modelo colaborativo de financiamento é uma das saídas lógicas para preservar serviços de impacto social — o fact-checking dentre eles. "Não temos paywall nem pretendemos fechar nosso conteúdo só para quem quiser pagar. É na diversidade de fontes de financiamento que reside a segurança de empresas de jornalismo e é nisso que Aos Fatos aposta ao lançar anualmente suas campanhas", diz Aos Fatos na nota que acompanha o lançamento. O site também se ampara em parcerias editoriais e consultorias.

O objetivo de Aos Fatos é alcançar a meta de R$ 50 mil a partir da contribuição de seus mais de 114 mil seguidores no Twitter e 25 mil no Facebook. O apoio financeiro será usado para pagar custos de estrutura, de produção editorial, de envio de recompensas e do site Catarse, que media a arrecadação.

Leia a íntegra da apresentação da campanha deste ano:

Primeira plataforma exclusivamente dedicada à checagem de fatos no Brasil, Aos Fatos é um site, mas também é a vontade de fazer jornalismo profissional de qualidade fora das redações tradicionais. No ar desde 7 de julho de 2015, é liderado por uma equipe de jornalistas dedicados a buscar a verdade na política.

A ideia por trás de Aos Fatos é simples: recorremos a dados, documentos e bases públicas de informação para pôr à prova o que os políticos brasileiros dizem. Temos um método consolidado e internacionalmente reconhecido que assegura a seriedade e a relevância da nossa proposta, de modo que tudo o que produzimos é escrutinado sob critérios de isenção, pluralismo e transparência. Em época de notícias falsas e boatos em redes sociais, isso deve ser valorizado!

Em menos de dois anos, cobrimos da crise política que resultou no impeachment de Dilma Rousseff até o desfecho das eleições municipais de 2016. Demos furos relevantes e pautamos veículos grandes aqui e fora do Brasil. Seguimos em busca da verdade em mais um governo marcado por reformas e escândalos de corrupção. Queremos, no entanto, fazer mais.

Para garantir nossa independência, precisamos da contribuição dos nossos leitores. Não temos paywall nem pretendemos fechar nosso conteúdo só para quem quiser pagar. Acreditamos, porém, que será somente com o apoio da nossa rede de entusiastas que Aos Fatos cumprirá, sem dificuldades, seu papel de monitorar o discurso público e escrutinar quem está no poder.

No fim de 2015, Aos Fatos promoveu sua primeira campanha de arrecadação — parte de um modelo de financiamento também baseado em parcerias de conteúdo e consultoria sob demanda.

À época, Aos Fatos arrecadou R$ 32 mil, o que permitiu que desenvolvêssemos nossa plataforma própria e produzíssemos conteúdo por seis meses. O planejamento de especiais como Aos Fatos em tempo real, que agregou a cobertura dos debates eleitorais do ano passado, e a produção de reportagens como a das pedaladas fiscais de Dilma só foram possíveis devido ao sucesso dessa primeira empreitada.

Em 2017, queremos ser bem-sucedidos novamente. Jornalismo bom é jornalismo que se paga. Acreditamos que o modelo colaborativo de financiamento é uma das saídas lógicas para preservar serviços essenciais para a nossa sociedade. É na diversidade de fontes de financiamento que reside a segurança de empresas de jornalismo e é nisso que Aos Fatos aposta ao lançar anualmente suas campanhas.

Se atingirmos a meta de R$ 50 mil, será possível garantir nossa produção por quatro a seis meses e, nesse período, experimentaremos fazer checagens em formato de vídeo. Com a ajuda de imagens, animações e trilha sonora cativantes, acreditamos que podemos alcançar mais gente e buscar a verdade de modo mais eficiente e criativo. Isso só será possível, entretanto, se os nossos leitores nos ajudarem a bater as nossas metas!

Para contribuir, clique aqui e acesse o site.