Aos Fatos

O especial 'Aos Fatos checa Cidade dos Sonhos' se propõe a monitorar declarações de candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro e de São Paulo em temas como mobilidade, sustentabilidade e qualidade de vida.

Clique nos quadros abaixo para saber do que os candidatos estão falando e a respeito do que eles silenciaram. Para saber de mais detalhes, clique nos quadros por tema.

Quer entender melhor o projeto? Saiba mais.

Legenda

  • O candidato mantém suas propostas
  • O discurso sobre o tema mudou
  • O candidato voltou atrás no que disse
  • Assunto ainda não abordado pelo candidato

Marcelo Crivella

(PRB)

12

Não alterou Não alterou

Não alterou

0

Alterou Alterou

Alterou

0

Vai e volta Vai e volta

Vai e volta

8

Não comentou Não comentou

Não comentou

Segurança para ciclistas

Elaborar um projeto em parceria com o CREA-RJ para reforço da estrutura da ciclovia Tim Maia nos trechos da Avenida Niemeyer e do Elevado do Joá até o final de 2017, garantindo total segurança aos ciclistas.

Agosto de 2016

Prioridade para pedestres

Ônibus de madrugada

Ruas para pedestres

Tetos solares

Hortas nas escolas

Compostagem

Energia solar

Menos estacionamentos

Fazer uma PPP para a construção e operação de nove novos estacionamentos subterrâneos na cidade até o final de 2020: três na zona sul (Copacabana, Ipanema e Leblon), três na zona norte (Madureira, Méier e Tijuca) e três na zona oeste (Campo Grande, Bangu e Jacarepaguá), priorizando suas localizações próximas às estações de BRT, metrô e trem, bem como elaborar via PPP um sistema de transporte aquário ligando todos os condomínios adjacentes as lagoas da Barra da Tijuca a estação do metrô do Jardim Oceânico. (Programa de governo - ago.2016)

De acordo com o ITDP (Instituto de Políticas de Transporte), quanto mais vagas forem oferecidas, a preços baixos, maior será a demanda por carro nas cidades e, consequentemente, maiores serão os congestionamentos. Um estudo publicado pelo IME (Instituto Militar de Engenharia), porém, indica que, para que seja estimulada a integração entre o transporte individual e o transporte público, é preciso a implantação de estacionamentos próximos a paradas, estações ou terminais.

O estudo ressalta, porém, fatores como segurança, tempo de transbordo (entre o estacionamento e o embarque) e custo de transferência que são levados em consideração pelos motoristas para que essa integração entre carro e transporte público (park and ride) seja efetiva.

Uma pesquisa da Escola Politécnica da USP também conclui que se houvesse mais estacionamentos próximos às estações, o número de adeptos do park and ride aumentaria. De acordo com o estudo, a implantação de estacionamentos alivia o trânsito na cidade, especialmente na região central.

Todo mundo reclama que falta estacionamento no centro da cidade. Aliás, falta também no Porto Maravilha. Eu quero fazer PPP para que as pessoas, empresas, venham fazer estacionamento subterrâneo ou aéreo. O estacionamento eu quero fazer com PPP, parceria público privada. A prefeitura propõe o projeto, os empresários fazem a obra e exploram depois o estacionamento. (14.set - entrevista ao G1)

Em Copacabana, por exemplo, não tem onde parar. Eu preciso fazer parceria com as pessoas para ter estacionamentos subterrâneos. A mesma coisa aqui perto, no Saara. Eles estão reclamando há anos. As pessoas querem vir pro Saara e depois visitar um parente na Ilha do Governador, em Bangu, Campo Grande. Não dá para você vir com um ônibus público até aqui e depois ter um outro ônibus público pra lá carregando embrulho. Eles querem estacionamento. (20.set - CBN)

Nós precisamos fazer com que esses estacionamentos ocorram e isso é com PPP. Aliás, o Porto Maravilha peca por uma coisa. Aquele túnel que foi feito não tem saída pro Porto Maravilha e não tem estacionamento no Porto Maravilha. Nós precisamos fazer. (20.set - CBN)

O mundo inteiro tem estacionamento. As pessoas não vão usar transporte coletivo por imposição nossa. Elas vão usar quando acharem que devem usar. Por enquanto, não estão usando, então nós precisamos de estacionamento. (20.set - CBN)

De acordo com o ITDP (Instituto de Políticas de Transporte), quanto mais vagas forem oferecidas, a preços baixos, maior será a demanda por carro nas cidades e, consequentemente, maiores serão os congestionamentos. Um estudo publicado pelo IME (Instituto Militar de Engenharia), porém, indica que, para que seja estimulada a integração entre o transporte individual e o transporte público, é preciso a implantação de estacionamentos próximos a paradas, estações ou terminais.

O estudo ressalta, porém, fatores como segurança, tempo de transbordo (entre o estacionamento e o embarque) e custo de transferência que são levados em consideração pelos motoristas para que essa integração entre carro e transporte público (park and ride) seja efetiva.

Uma pesquisa da Escola Politécnica da USP também conclui que se houvesse mais estacionamentos próximos às estações, o número de adeptos do park and ride aumentaria. De acordo com o estudo, a implantação de estacionamentos alivia o trânsito na cidade, especialmente na região central.

É uma necessidade do comércio [construção de estacionamentos]. Neste momento, é um imperativo. O projeto não nasceu das minhas elucubrações, mas das minhas conversas com os comerciantes. Eu acho que é uma fase. Nesse momento são imperativos da classe dos empresários, são eles que pedem desesperadamente. (24.set - O Globo)

Mais árvores

Aqui [Aterro do Flamengo] também há muitas mudas que foram perdidas porque não foram replantadas. Isso aqui é um memorial que todos nós cariocas zelamos, porque aqui nos encontramos com a obra artística de Burle Marx. (14.out - RJTV)

Velocidade reduzida

Reduzir o número de radares na cidade (já no primeiro ano de governo), mantendo apenas aqueles que, comprovadamente, justifiquem sua necessidade para reduzir o número de acidentes – e garantindo ainda que todos os recursos obtidos com as multas sejam destinados exclusivamente à conservação das nossas vias e a programas educativos para motoristas e alunos da rede pública municipal. (Programa de governo)

Tirar o pardal traiçoeiro é uma maneira de você legitimar o ordenamento do trânsito. Hoje as pessoas ficam revoltadas, porque o pardal traiçoeiro, você tá indo a 60 km/h e de repente cai pra 40 km/h, por exemplo, na entrada do mergulhão na Barra da Tijuca. Se é um pardal traiçoeiro, a gente tem que tirar. (20.set - CBN)

Haddad estava coberto de razão ao reduzir os limites de velocidade. A gente tem um resultado concreto. Infelizmente no Rio de Janeiro temos a indústria da multa. (7.out - debate da Band)

Hoje, as pessoas no Rio de Janeiro estão pagando R$ 200 milhões por ano de multas. (7.out - debate da Band)

De acordo com dados do Rio Transparente, até agora, o município arrecadou R$ 180 milhões em multas neste ano. A previsão é chegar a R$ 190,21 milhões até o fim de 2016.

Combustíveis ecológicos

Esses ônibus não podem mais usar o velho combustível, vamos ter que partir pra um biocombustível, temos que modernizar a frota, de repente com ônibus elétricos. (13.out - Extra)

Coleta seletiva

Meu governo vai inverter as prioridades. Vamos fazer um grande trabalho de coleta seletiva, criando cooperativas dentro das comunidades, gerando riqueza, em modelo jamais utilizado. (Campanha na Rocinha - 30.ago)

Você tem um problema hoje que não se pode terceirizar a coleta de lixo. Mas, eu vou encontrar um meio, com o Ministério Público e na legislação, para que a gente contrate garis nas comunidades. Vamos dar um jeito pra que a própria comunidade cuide do seu lixo, faça a coleta seletiva em cooperativas e a gente possa gerar riqueza e saúde. (Campanha na Rocinha - 30.ago)

Crivella fala que não se pode terceirizar a coleta de lixo. Lei municipal que regula o lixo diz o oposto, apesar de hoje a Prefeitura só terceirizar caminhões. Procurada, a assessoria da Comlurb não soube dizer qual é atual situação de suas operações.

Ali tem recursos, porque a parte do lixo que é inerte você vende. PET, plástico, papel, alumínio. E a parte orgânica, resto de comida, eles vão fazer compostagem e vão vender para a prefeitura. Eu preciso de adubo pros jardins, para todos os jardins e praças, pro Aterro do Flamengo. Eu preciso de material orgânico, eu compro. (20.set - CBN)

O gari comunitário vai cuidar da parte do lixo. Vamos ter também cooperativa nas comunidades para que esse lixo possa ser coletado seletivamente e gerar renda para as comunidades. (11.out - Facebook)

Cidade para pessoas

Essas coisas [racionalização dos ônibus] precisam ter um referendo. Eu quero fazer um e verificar se o povo gostou. Ouço muita reclamação. Se isso se confirmar, vamos rever. (15.set - entrevista ao Extra)

A prefeitura acabou com muitas linhas de ônibus usando o BRT como desculpa. Isso prejudicou muito a nossa população, sobretudo na Zona Oeste, que ainda viu o prefeito acabar com as vans, ao invés de fazer uma licitação séria para elas. (15.set - propaganda eleitoral)

Nós precisamos arrumar o trânsito, por isso eu chamei o Fernando Mac Dowell, que é quem mais entende no Rio de Janeiro. Foi meu colega 30 anos atrás. Trabalhamos juntos como engenheiro na EMOP. Ele agora, com essa experiência vasta, vai nos ajudar. (20.set - CBN)

Claro [pretende concluir as obras do BRT e do VLT]. Se eu não concluir as obras dele seria um imenso desperdício e o povo iria pagar. Tudo que começou vai terminar. (20.set - CBN)

Tiraram várias linhas de ônibus de Sepetiba. Os moradores me contaram que não têm mais condução para Madureira, Bangu e Nilópolis. E depois das 22h é um milagre conseguir condução. Com o BRT, a Zona Oeste perdeu muitas linhas de ônibus. Vou rever essa equação para que os interesses do povo sejam respeitados. (17.set - Facebook)

O processo de racionalização das linhas de ônibus não levou em consideração as necessidades do nosso povo. Ele simplesmente foi feito e ponto. Por isso, temos que ouvir quem usa os ônibus, revisar o modelo e, a partir daí, adotar um sistema que reduza o número de baldeações, por exemplo. (28.set - JB)

A frota de ônibus tem que estar 100% equipada com ar condicionado, promessa olímpica do prefeito Eduardo Paes que não foi cumprida. Vou cobrar das empresas que essa lei seja cumprida. (28.set - JB)

Em 2014, a Prefeitura do Rio de Janeiro assinou um acordo com o Ministério Público em que se comprometia a refrigerar 100% da frota de ônibus como uma das medidas compensatórias para a população por conta da derrubada do Elevado da Perimetral e dos consequentes transtornos no transito no centro da cidade.

No entanto, em março deste ano, apenas 39,7% dos ônibus da cidade tinham ar condicionado, segundo dados repassados à ONG Rio Como Vamos pela Rio Ônibus. De acordo reportagem do jornal "O Globo" de 5 de setembro com números obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação, em julho, o percentual estava próximo ao de março, 39,4%.

Em dezembro de 2015, por meio do decreto 41.190/2015, a prefeitura reduziu unilateralmente a meta de climatização para 70% das viagens, e não da frota. O Ministério Público pediu a suspensão da medida, e a Justiça decidiu que o município deve seguir o acordo estabelecido sob pena de multa de R$ 20 mil para cada ônibus sem ar condicionado.

Eu vou encarar [compromisso de refrigerar frota] com autonomia, com altivez, como representante eleito pelo povo do Rio de Janeiro, que pode cobrar essas coisas das companhias de ônibus. Eu tenho uma preocupação enorme com o calor que tem dentro do ônibus, porque, naquele espaço confinado, se tiver uma pessoa gripada, provavelmente aquele vírus vai se espalhar por todo o ônibus, com um efeito depois enorme na saúde. Então é uma questão imperativa. Nós temos que cobrar. Isso é uma coisa que vai requerer da gente muita ação, muita energia, muita presença, mas é fundamental. (13.out - Extra)

Hoje, principalmente os trabalhadores precisam de mais estrutura para andar pela cidade. Por isso, vou aumentar para três horas o tempo de validade do Bilhete Único e implementar a tarifa integrada aos domingos. Também vou interromper imediatamente a progressão do processo de racionalização das linhas de ônibus. (20.out - Facebook)

Iluminação eficiente

Desenvolver uma parceria público-privada (PPP) para ampliação, modernização e melhoria da iluminação pública da cidade com previsão de conclusão dos investimentos até o final de 2019 – o cronograma desses investimentos será determinado segundo os indicadores de violência registrados em cada AISP. (Programa de governo - ago.2016)

Eu quero aumentar o número de câmeras da cidade, instalar dez novas unidades de ordem pública em diferentes bairros, melhorar a iluminação dos postes e requalificar os guardas municipais. (24.out - Facebook)

Áreas verdes

Elaborar, nos quatro primeiros meses de Governo, um inventário com as necessidades de poda de árvore e recuperação do mobiliário de todas as praças e parques da cidade, com previsão para a conclusão das ações de recuperação e/ou modernização até o final de 2017.

Agosto de 2016

Criar, até o final de 2019, um Parque entre Bangu e Campo Grande com área, atrações e características iguais às do Parque de Madureira.

Agosto de 2016

Também vou ampliar espaços culturais e criar um parque na divisa de Bangu e Campo Grande. (27.out - Facebook)

Inclusão de catadores

Vamos trazer de volta o gari comunitário, gerar emprego e renda na comunidade. As cooperativas vão vender o lixo reciclado, o vidro, a PET, o papel. Vamos também na prefeitura comprar a compostagem, o adubo produzido com a matéria orgânica. (8.set)

Coleta seletiva nas comunidades. Vamos voltar com o gari comunitário. (20.set - CBN)

Vamos trazer de volta o projeto do gari comunitário. Esse projeto é fundamental para a saúde de nossa população, porque se o lixo fica horas na rua, nas ruelas, ele acaba atraindo insetos. Todos sabemos que esses insetos são vetores de doença. Trazem micróbios, vírus, bactérias e acabam trazendo doença pras pessoas. (11.out - Facebook)

O gari comunitário vai cuidar da parte do lixo. Vamos ter também cooperativa nas comunidades para que esse lixo possa ser coletado seletivamente e gerar renda para as comunidades. (11.out - Facebook)

Transporte integrado

Interromper imediatamente a progressão do processo de ‘racionalização das linhas de ônibus’ e promover um amplo diálogo com a população no próximo ano para revisá-lo e reduzir o número de transbordos no sistema, evitando assim, prejuízos aos passageiros que utilizam o Bilhete Único Carioca. (Programa de governo - ago.2016)

Fazer uma licitação, ao final de 2017, para recuperar a operação de vans na zona oeste da cidade, integrando-a aos modais de média e alta capacidade (ônibus, BRT, metrô e trem) – essa licitação determinará que um CPF possa operar apenas uma única van, evitando assim, a formação de cartéis. (Programa de governo - ago.2016)

Ampliar para 3 horas o prazo de utilização do Bilhete Único Carioca (hoje, esse prazo é de duas horas e meia) e estender seu uso para o Metrô Rio até o final de 2018. (Programa de governo - ago.2016)

Quando fizemos os investimentos no BRT, pontes e túneis, demos vias exclusivas para os operadores, que levam muito mais pessoas, gastam menos freio, menos combustível e mão de obra. Então, esperávamos que houvesse uma diminuição no custo da passagem, mas ela aumentou acima da inflação. Houve uma perplexidade. Gostaria muito de conversar com os cariocas para verificar, agora com o BRT, numa situação muito mais favorável para os operadores, por que o preço está mais alto. (15.set - entrevista ao Extra)

Vou acabar com a confusão que fizeram com as linhas de ônibus. Comigo, vai ter menos baldeação, e as pessoas não vão perder a validade do Bilhete Único. Aliás, até 2018, o Bilhete Único vai valer por três horas e vai poder ser usado no metrô. (20.set - horário eleitoral)

Vou fazer também uma licitação pras vans voltarem à Zona Oeste integradas ao sistema de transporte. (20 .set - horário eleitoral)

A Secretaria Municipal de Transportes abriu uma licitação em junho deste ano para 99 linhas de vans na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Segundo o Diário Oficial do Município de 16 de junho, a nova rede de vans “irá complementar o serviço de BRT já oferecido na região, ampliando a oferta de transporte aos passageiros”. No entanto, em agosto, o Tribunal de Justiça suspendeu a licitação a pedido do consórcio Santa Cruz, que opera na Zona Oeste da cidade. O valor estimado da licitação era de R$ 3,1 bilhões.

Seria incapaz de enganar meus companheiros [taxistas] dizendo que vou acabar com o Uber, porque isso é impossível. É uma decisão que cabe à Justiça, e um projeto que está no Congresso Nacional do qual eu até debati. Mas quero garantir a cada um dos taxistas que estão me ouvindo que eu sei o que é levantar cedo, ir pra rua, eu sei o que é você parar quando tem um acidente, eu sei a sua dificuldade e eu suei a camisa num táxi como esse. E vou pedir a Deus, e com vocês encontrar soluções criativas. (20.set - CBN)

Eu me lembro que, quando eu era jovem, nós fazíamos lotada. Eu pegava passageiro do Centro da cidade, levava para Copacabana. Se fosse um passageiro só, ele pagava R$ 50. Eu tinha quatro passageiros pagando R$ 25, eu ganhava o dobro. Três caminhos Centro-Copacabana, eu ganhava R$ 300. A gente pode pensar nisso. (20.set - CBN)

O grande problema de você não ter competitividade com o Uber é o preço. Por quê? Porque tem a diária. Não é o custo do automóvel nem o custo da mão de obra, é a questão da diária. Eu acho que a prefeitura pode dar sim autonomia para todos os motoristas que já tenham determinado ano na praça e que hoje estão pagando diária e se inviabilizando diante do Uber, desde que eles tenham condição de comprar um carro. A população não pode ficar sem assistência do transporte, seja Uber ou táxi. (20.set - CBN)

Eu quero, por exemplo, lá na Barra da Tijuca, fazer com que todos os condomínios tenham ligação com o metrô via aquaviária. Eu vou fazer isso custe o que custar. Vou fazer parcerias com as empresas e a contrapartida que elas vão me dar é despoluir a nossa lagoa da Barra da Tijuca. Quem mora no Novo Leblon, Nova Ipanema, quem mora na Península, nós somos 18 mil moradores lá, quem mora em todos aquele condomínios, vai pegar um transporte aquaviário e vai até a estação do metrô do Jardim Oceânico. Essa é uma maneira da gente equacionar a questão do trânsito e tirar o carro da rua. (20.set - CBN)

Na Barra da Tijuca, todos os condomínios, inclusive o que eu moro, vão ter transporte aquaviário para a estação do metrô do Jardim Oceânico. (21.set - G1)

Eu fui taxista por dois anos. Eu sei que a gente roda 300 km por dia, chega com a perna doendo em casa. Acho que o Uber foi um golpe terrível. Agora, eu não posso mentir pros meus colegas dizendo que vou acabar com o Uber. Eduardo Paes não acabou porque não podia. (21.set - G1)

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, sancionou em setembro do ano passado a Lei Complementar 159/2015, que, entre outras providências, proibia a serviço de “transporte individual remunerado de passageiro sem prévia autorização ou licença”, como o Uber. Nove dias depois, uma decisão liminar da 6ª Vara de Fazenda Pública da Capital autorizou o serviço do aplicativo na cidade. Em abril deste ano, a 6ª Vara decidiu manter a liminar e fixou uma multa de R$ 50 mil para cada ato que seja feito em desacordo com a sentença, como multa ou restrição do serviço dos motoristas de Uber na cidade.

O VLT não é um transporte de massa, ele não tá andando a 7 km/h, em dia de chuva ele tem que parar, a manutenção dele por km é a mesma manutenção do preço do metrô, e a gente tem que garantir passageiro mesmo que não haja, a demanda é por conta da prefeitura. Não é um bom negócio. (21.set - G1)

É preciso reconhecer e valorizar o mototaxi. Sou autor do projeto que deu origem à ‘Lei dos motoboys’, que concedeu, em 2014, adicional de periculosidade pela função. (24.set - Facebook)

O candidato Marcelo Crivella é autor do Projeto de Lei 193, que garante um adicional de periculosidade de 30% sobre o salário de motoboys. O texto foi aprovado em 2014 e sancionado pela então presidente Dilma Rousseff como Lei 12.997.

Vou ampliar para 3 horas o prazo de utilização do Bilhete Único Carioca (hoje, esse prazo é de duas horas e meia) e estender seu uso para o Metrô Rio até o final de 2018. A integração entre os modais gera economia de tempo e de dinheiro para o cidadão. (28.set - JB)

O importante é que a população seja bem atendida tanto pelos 33 mil taxistas quanto pelo serviço do Uber. Não podemos combater o avanço tecnológico nem abandonar os taxistas, que precisam de ajuda para modernizar a frota. Vou procurar experiências bem sucedidas para que táxi e Uber convivam de forma ordeira e civilizada. (28.set - JB)

A minha posição será ouvir antes e procurar um caminho de conciliação. Isso é uma decisão que cabe à Justiça neste momento. O Uber está existindo em função de uma liminar. Existe um projeto no Congresso Nacional, que é a casa soberana para definir isso, do senador Ricardo Ferraço, que está em andamento. É controverso, há muitas pessoas que defendem, outras são contra. Mas cabe ao prefeito tentar amenizar isso. A população tem direito de decidir ou por um ou por outro. (3.out - BandNews FM)

O último trâmite do Projeto de Lei 530/2015, de autoria do senador Ricardo Ferraço, foi em abril deste ano. O texto institui a lei que regulamenta e organiza o sistema de transporte privado individual a partir de provedores de rede de compartilhamento. No site do Senado, está aberta uma consulta à população sobre a medida. Até o dia 6 de outubro, 342 pessoas tinham votado a favor e 1102, contra.

Eu gostaria de que os táxis obtivessem da prefeitura, eu diria, vantagens, alguma coisa que eles tivessem condições de competir de igual pra igual. Hoje em dia, se continuar do jeito que está, o motorista de táxi não vai conseguir sobreviver. Eu acho que não é assim que se ganha mercado. É uma coisa predatória. De tal maneira que eu vou buscar o entendimento entre eles, o entendimento com a Câmara dos Vereadores para a gente conciliar essa coisa do táxi e do Uber. (3.out - BandNews FM)

E Uber também tem uma série de rivais agora. Eu já vi aqui na imprensa que há vários tipos de Uber que vão entrar no mercado. Essas coisas precisam ser reguladas. A gente tem que chegar a um acordo. (3.out - BandNews FM)

Eu acho que a gente pode organizar aqui, pelas águas da Lagoa, um bom sistema de transporte que leve as pessoas, a maioria delas de manhã, e que traga na parte da tarde. É questão de discutir com a sociedade, acho que essa discussão já está madura, pelo menos aqui na Barra da Tijuca todos são favoráveis, e lançar a licitação e procurar os parceiros. (7.out - RJTV)

Vou fazer uma licitação séria para trazer de volta o sistema de vans da zona oeste. E vou rever a confusão que fizeram com o sistema de ônibus. (13.out - horário eleitoral)

Nós precisamos discutir, nós precisamos sentar com eles, olhar as planilhas, e de maneira autônoma, mas sem imposições, chegar a uma conclusão para baixar o preço [das passagens]. (13.out - Extra)

Eu vou ter que organizar esse setor [transporte suplementar]. O que mais ouvi durante esse mês e meio andando pela rua eram pessoas reclamando de transporte, da desorganização que foi feita pela prefeitura para diminuir ônibus e vans das ruas.[...] Agora nós vamos fazer as correções nas linhas. E vamos ter a humildade, porque nós somos outro gestor, eu ou o Freixo, quem ganhar, de voltar atrás se a coisa não deu certo. (13.out - Extra)

Hoje, principalmente os trabalhadores precisam de mais estrutura para andar pela cidade. Por isso, vou aumentar para três horas o tempo de validade do Bilhete Único e implementar a tarifa integrada aos domingos. Também vou interromper imediatamente a progressão do processo de racionalização das linhas de ônibus. (20.out - Facebook)

A minha proposta é que o Bilhete Único passe a ter validade de três horas e que tenha integração com o metrô. (18.out - debate da RedeTV!)

Fazer uma licitação, ao final de 2017, para recuperar a operação de vans na Zona Oeste da cidade, integrando-a aos modais de média e alta capacidade (ônibus, BRT, metrô e trem). Essa licitação determinará que um CPF possa operar apenas uma única van, evitando assim, a formação de cartéis. (18.out - debate da RedeTV!)

A prefeitura não tem gerência sobre a ampliação do metrô, por exemplo, mas auxiliará o governo quando necessário. (20.out - UOL)

Ônibus no corredor

Concluir as obras do BRT Transbrasil e garantir sua operação efetiva até o final de 2017 e também, elaborar um estudo para levar o BRT Transcarioca para o centro da Ilha do Governador até o final de 2020. (Programa de governo - ago.2016)

Exigir das concessionárias que operam o sistema de BRT na cidade um aumento de 20% da frota até o final de 2018 para reduzir a superlotação e o desconforto dos passageiros durante as viagens – além de aumentar a fiscalização e aplicar multas mais pesadas para garantir o pleno funcionamento do ar- condicionado de toda frota e nas unidades do sistema. (Programa de governo - ago.2016)

Segundo estudos do Ipea e da FGV, o tempo médio do carioca de casa para o trabalho na cidade é de aproximadamente 47 minutos. No entanto, de acordo com estudo da Firjan, quando são considerados apenas os deslocamentos acima de 30 minutos – realidade de um universo de 2,8 milhões de cariocas -, o trabalhador do Rio de Janeiro leva, em média, 141 minutos (2h21) nas viagens casa-trabalho. 

O atual Bilhete Único Carioca permite o transbordo entre duas linhas de ônibus ou entre ônibus e trem em um intervalo de 2h30. As integrações, assim como as gratuidades, são previstas no estabelecimento da tarifa regular do transporte público municipal, que é de R$ 3,80, atualmente.

O BRT é uma grande ideia, mas tem muitos problemas. O asfalto é de péssima qualidade. As pessoas precisam fazer baldeações, chegando a pagar três passagens, e andam estranguladas, parecendo estar em latas de sardinha. Não basta ter uma boa ideia, é preciso saber administrar e fazer manutenção. (3.set)

Mais VLT, não. Mais BRT, sim. Quero cobrar ar condicionado e mais ônibus. (21.set - G1)

O BRT é uma grande conquista e a Transbrasil tem que ser concluída. Mas os BRT se encontram superlotados e sem ar condicionado. (15.set - propaganda eleitoral)

Toda a frota do BRT faz parte dos 39,7% dos ônibus da cidade do Rio de Janeiro que possuem ar condicionado. O BRT Transoeste foi inaugurado em 2012 com ônibus refrigerados. As demais linhas (Transcarioca e Transolímpica) foram abertas quando já estava em vigor o decreto 38328, de fevereiro de 2014, que obriga os consórcios a adquirirem apenas ônibus com ar condicionado no momento de novas compras.

A mobilidade urbana está deixando muito a desejar. Eu vou concluir o BRT Transbrasil logo no meu primeiro ano de governo. E vou exigir das concessionárias do BRT um aumento de 20% da frota e ar condicionado em todos os ônibus. (20.set - horário eleitoral)

Temos que aumentar a frota de algumas linhas. Vou exigir das concessionárias que operam o sistema de BRT na cidade um aumento de 20% da frota até o final de 2018. É essencial reduzir a superlotação, o desconforto dos passageiros durante as viagens. (28.set - JB)

Concluirei as obras em andamento na cidade, como o corredor Transbrasil até 2017 e a extensão do BRT para a Ilha do Governador, até 2020. (5.out - Facebook)

Vamos terminar a Transbrasil que o Eduardo Paes disse que continuaria depois de setembro. Mas está parada a obra. (7.out - debate da Band)

A previsão do BRT que lhe dava viabilidade econômica era de 70 mil passageiros por dia. Sabe quanto eles transportam? 850 mil. Doze vezes mais. Por isso que as pessoas reclamam que estão andando igual a lata de sardinha, e muitos não tem ar condicionado. Se você faz um negócio com previsão de 70 mil, transporta 850 mil muito mais que a viabilidade econômica apresentava, como é que não pode baixar o preço? (13.set - Extra)

O recorde de passageiros transportados pelo BRT ocorreu durante os Jogos Olímpicos, quando, no dia 12 de agosto, 855 mil pessoas usaram esse meio de transporte. Durante as Olimpíadas, a média diária foi de 700 mil passageiros. Segundo o site do BRT, cerca de 450 mil pessoas são transportadas por dia em todas as suas linhas. De acordo com dados da Secretaria Municipal de Transportes, de janeiro a junho, foram 691.550 usuários.

Eu lembro que, há oito anos atrás, quando eu fui candidato contra o Eduardo Paes, uma das minhas propostas era exatamente a Transbrasil. Eu apresentava na televisão, tinha pouco tempo, mas eu tinha feito uma maquete eletrônica mostrando como é que seria a Transbrasil. É fundamental, o povo da zona oeste precisa muito dela e nós vamos terminar. Se não houver recursos da prefeitura, vamos fazer em parceria público privada. (13.out - Extra)

Vou fazer um censo. As linhas de ônibus desagradaram muito a população do Rio. Outra coisa que me preocupa muito: o BRT foi planejado para carregar 70 mil pessoas por dia, mas está carregando 850 mil. Num calor tremendo. Vamos ter que reorganizar isso. E também quero deixar claro que vou lutar para diminuir o preço do transporte no Rio. (16.out - O Dia)

Como checado anteriormente, o recorde de passageiros transportados pelo BRT ocorreu durante os Jogos Olímpicos, quando, no dia 12 de agosto, 855 mil pessoas usaram esse meio de transporte. Durante as Olimpíadas, a média diária foi de 700 mil passageiros. Segundo o site do BRT, cerca de 450 mil pessoas são transportadas por dia em todas as suas linhas. De acordo com dados da Secretaria Municipal de Transportes, de janeiro a junho, foram 691.550 usuários.

Vou concluir o BRT Transbrasil já no primeiro ano do meu governo. (28.out - programa político)

Segurança para ciclistas

Prioridade para pedestres

Ônibus de madrugada

Ruas para pedestres

Tetos solares

Hortas nas escolas

Compostagem

Lixões

Energia solar

Menos estacionamentos

Mais árvores

Velocidade reduzida

Combustíveis ecológicos

Coleta seletiva

Cidade para pessoas

Iluminação eficiente

Áreas verdes

Inclusão de catadores

Transporte integrado

Ônibus no corredor